"Foi humilhação", diz aluna que recebeu ameaça de voz de prisão

A reportagem não conseguiu localizar o docente para que ele comentasse o episódio

Cinco dias depois de ter discutido com um professor, a estudante de direito que se identificou apenas como Tatiana, de 31 anos, disse ainda não estar preparada emocionalmente para encarar o mestre. Tatiana afirma ter recebido ameaça de voz de prisão por parte dele. Ela estuda no quinto semestre da Universidade Presbiteriana Mackenzie, uma das mais tradicionais de São Paulo, e falou ao G1 na noite desta terça-feira (30). Após uma discussão nos corredores da instituição de ensino, Tatiana e o Centro Acadêmico de direito (C.A.) alegam que o professor, um procurador de Justiça, ameaçou dar voz de prisão quando a moça questionou o método de ensino dele.

A reportagem não conseguiu localizar o docente para que ele comentasse o episódio. A assessoria da universidade também foi procurada e disse que se pronunciaria nesta quarta (31). Nesta terça, a assessoria do Mackenzie confirmou apenas que houve apenas um bate-boca entre os dois. ?Estou emocionalmente despreparada para encarar o professor depois da humilhação que sofri?, contou Tatiana."

Ela tem 100% de bolsa no Mackenzie, está na metade do curso, e ingressou na universidade por meio do Prouni, programa do Governo Federal destinado a estudantes com renda per capita familiar máxima de três salários mínimos. Eles também são selecionados pelas notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O caso

A discussão ocorreu por volta de 21h30 de sexta-feira (26), no intervalo, minutos antes de Tatiana ter a aula de Direito Penal III com o professor. Segundo a aluna, ele dá essa cadeira às segundas e sextas para a classe dela. A estudante relatou que a briga começou quando ela o abordou para questionar a metodologia, alegando que tinha muitas dúvidas. ?Se passaram quatro aulas e eu senti dificuldade. Faltava conversa, um pouco de contexto. Era superficial. Pedi para ele aprofundar alguns conceitos?, afirmou Tatiana sobre as aulas.

De acordo com ela, o professor não gostou da observação dizendo que ela não tinha capacidade para avaliar a aula. A aluna se defende. ?Sou bolsista. Jamais faltaria com o respeito a um professor. Tenho medo de perder a bolsa. Tenho origem humilde e educação. Chamei o professor em particular.?

Versão do professor

O Centro Acadêmico se manifestou em duas notas. Na primeira, repudiou a atitude do professor, pedindo que ele se desculpasse formalmente pelo ?constrangimento? pelo qual passou a aluna. No segundo comunicado, o C.A. divulgou a versão que disse ser do docente.

?Segundo o professor, a aluna o abordou com argumentos ofensivos à sua metodologia utilizada e persistindo mesmo diante de avisos dados. Diante de uma grosseria maior e sem fim, se viu obrigado a utilizar de outros meios, pois nem mesmo os seguranças conseguiram resolver. Foi nessa hora que a aluna foi advertida que naquele momento que o professor estava na posição de procurador de Justiça par tentar dar fim ao tumulto que se generalizou?, diz um trecho da nota.

Na frente de todos

Tatiana disse que o mestre pediu ?respeito?, afirmando ser procurador de Justiça e professor há 20 anos. A conversa não parou no corredor e continuou até a sala de aula, onde estavam os colegas de turma. ?Fiquei em choque. Já estava nervosa, totalmente abalada. Estava todo mundo olhando. Ele disse que eu não ia assistir à aula e saiu gritando que ia chamar os seguranças.?

Quando a bolsista contou que ia procurar a coordenação do curso, disse que o professor a ameaçou. ?Ele falou: ?nesse momento, eu não me dirijo mais como professor, mas como procurador de Justiça. Não me dirija mais a palavra senão eu te dou voz de prisão??, informou Tatiana, reproduzindo, segundo a versão dela, as palavras proferidas pelo mestre.

A estudante contou que pretende ser funcionária pública e não cometer ?abuso de autoridade?. Atribuiu o episódio a ?uma questão de ego?. ?O professor achou que eu estava afrontando ele?, disse a bolsista, que disse estar ?tranquila? por ter tido o apoio do Mackenzie.

Fonte: g1, www.g1.com.br