Fotógrafo emociona ao mostrar crianças refugiadas dormindo nas ruas

A sua intenção é mostrar a verdadeira realidade dessas famílias.

O fotógrafo sueco Magnus Wennman surpreendeu todo o mundo ao retratar em imagens crianças refugiadas dormindo em abrigos, ruas, hospitais, florestas e fronteiras de seis países: Jordânia, Líbano, Turquia, Hungria, Sérvia e Grécia.

As fotos foram publicadas no jornal sueco "'Aftonbladet”. São dezenas de retratos e histórias contadas na reportagem. Segundo o fotógrafo, a ideia era fazer algo que realmente “tocasse” o público. “Às vezes é difícil para as pessoas entenderem o conflito na Síria. Mas não é difícil entenderem que toda criança precisa de um lugar seguro para dormir”, relatou.

Wennman conta que se reuniu com a equipe no início de janeiro para pensar em como mostrar as dificuldades enfrentadas pelas crianças refugiadas de uma forma original. "Eu tinha curiosidade de saber o que acontece quando a noite cai e as crianças vão para a cama. Seus sonhos, suas esperanças e suas histórias", afirmou.

Image title

Quando a noite cai, Lamar, de cinco anos, dorme sobre um cobertor fino em uma floresta na fronteira da Sérvia com a Hungria, com frio, medo e saudade das bonecas que ficaram em sua casa em Bagdá, atingida por um bombardeio.

Quando a noite cai, Gulistan, uma síria de seis anos que vive como refugiada com a família na Turquia, prefere apenas fechar os olhos, e não dormir de verdade, para evitar os pesadelos recorrentes.

Quando a noite cai, Ralia, de 7 anos, e Rahaf, de 13, dormem abraçadas sobre caixas de papelão ao lado de seu pai nas ruas de Beirute, após terem perdido a mãe e um irmão em um ataque com granada em Damasco, na Síria.

Quando a noite cai, a situação das crianças que fogem da guerra junto com a família pode se tornar ainda mais dramática. É o que mostra a série “Where the children sleep” (onde as crianças dormem), do fotógrafo sueco Magnus Wennman.

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title


Fonte: Com informações do G1