Fumo é responsável por 90% dos casos de câncer de pulmão

Hoje, 31 de maio, é o Dia Mundial Sem Tabaco

Hoje, 31 de maio, é o Dia Mundial Sem Tabaco. O cigarro é responsável pela morte de 6 milhões de pessoas, por ano, no mundo, deste número, 200 mil mortes são no Brasil. O fumo é causador de 90% dos casos de câncer de pulmão e 25% das doenças vasculares, como o infarto. 

Segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), 14,7% da população brasileira é fumante, porém este número está em queda. 

Os motivos para o declínio são vários, entre eles: a lei antifumo que proíbe fumar em locais fechados e os programas de apoio às pessoas que desejam parar com o hábito.

“Os malefícios relacionados ao tabagismo são, cada vez mais, de domínio público. Isto está auxiliando a promover de uma reflexão e discussão sobre o assunto.

Esta reflexão vem sendo facilitada por diversas ações governamentais de controle do tabaco que vêm sendo desenvolvidas ao longo dos anos”, afirma a médica Elaine Black Ceccon.

Além do câncer de pulmão, o cigarro pode causar cerca de 50 outras doenças, especialmente problemas ligados ao coração e à circulação. Cada tragada é responsável pela inalação de aproximadamente 4.700 substâncias tóxicas. 

A nicotina é uma delas. Responsável pelo vício, a substância atua como um estimulante do sistema nervoso. Afeta e compromete nariz, boca, cérebro, pulmões, aparelho reprodutor, laringe, coração, aparelho digestivo, bexiga e rins.

Ainda, aumenta a probabilidade de desenvolver osteoporose e compromete a circulação sanguínea. Também pode causar depressão, irritabilidade, dificuldade de concentração, insônia e impotência sexual. 

As consequências mais visíveis são aparência envelhecida, dentes amarelados, tosse crônica, mau hálito e odores desagradáveis, perda de peso e da resistência física e imunológica.

“A nicotina chega ao cérebro em até 20 segundos após ser inalada e libera diversas substâncias, chamadas neurotransmissores, que estimulam sensação de prazer. Com o passar do tempo, a inalação contínua de nicotina leva o cérebro a se adaptar e o indivíduo precisa de doses cada vez maiores para obter a mesma sensação de prazer. 

Com o aumento do consumo de cigarros, cresce também a chance de desenvolver doenças relacionadas ao fumo, aumentando significativamente o risco de morte. o tabagismo está associado a cerca de 50 doenças, muitas fatais como o câncer, doenças cardiovasculares, como infarto e AVC, e doenças respiratórias crônicas”, explica a médica.

Tabagismo é responsável por uma série de outras doenças

Até o final do século XX, a maior parte dos óbitos ocorria em função de doenças infectocontagiosas. Hoje em dia, porém, o quadro é bem diferente.

Desde o início do século XXI, mais de 60% das mortes foram causadas pelas chamadas Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNTs), segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Cada vez mais presentes no estilo de vida moderno, enfermidades desse tipo são provocadas, basicamente, pela má alimentação e por hábitos prejudiciais à saúde, como o alcoolismo e, principalmente, o tabagismo.

"Embora o cigarro tenha sido bastante combatido nos últimos anos, ele ainda está entre as principais causas das DCNT.

Por isso, podemos afirmar que ele contribui ativamente com a taxa de mortalidade gerada em função do problema que abrange também hipertensão, diabetes, obesidade e câncer de diferentes tipos", afirma a psicóloga Silvia Cury, que coordena um programa de controle do fumo em um hospital.

Para conscientizar a população no Dia Mundial Sem Tabaco, Silvia aponta quais medidas podem ser tomadas para o controle e prevenção do tabagismo e, consequentemente, das DCNTs associadas a ele. 

"Entre elas estão infarto agudo do miocárdio, derrame, trombose, bronquite, enfisema, além de câncer no pulmão, boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga, colo do útero, entre outras regiões do corpo", enumera a psicóloga.

"Isso sem contar efeitos colaterais como impotência sexual nos homens, entre outros problemas graves como complicações na gravidez, aneurismas arteriais, úlcera do apa relho digestivo e infecções respiratórias das mais diversas", complementa.

Fonte: Jornal Meio Norte