Gari se emociona e passa mal ao fazer a limpeza de escola após massacre que matou 12 crianças no Rio

Gari se emociona e passa mal ao fazer a limpeza de escola após massacre que matou 12 crianças no Rio

Os pais dos alunos estão recebendo atendimento psicológico na Clínica da Família, em Realengo

Durante a limpeza que acontece na manhã desta segunda-feira (11) na escola municipal Tasso da Silveira, um gari se emocionou ao ver o cenário do massacre que aconteceu na última quinta (7), em Realengo, na Zona Oeste do Rio e passou mal.

?O Ricardo ficava assobiando e cantando para tentar se distrair. Mas ficou lembrando das crianças correndo, viu sangue nas paredes. Passou mal e foi liberado?, contou Marcelo de Oliveira, que também trabalha como gari e ajuda na limpeza do local. Segundo funcionários da escola, Ricardo, trabalha na limpeza da escola e conhecia as vítimas.

?A situação lá dentro ainda é muito marcante?, descreveu Marcelo. O mutirão de garis continua no local até que todo o colégio seja limpo.

Pais voltam à escola

Equipes de funcionários da escola estão recolhendo e organizando todo o material de estudo que foi deixado para trás no dia do massacre. Simone Ferreira, de 38 anos, é mãe de Juliana, que estava estudando quando o atirador entrou na escola. ?Estou chateada, triste?, disse ela, que conseguiu pegar o material da filha.

Os pais dos alunos estão recebendo atendimento psicológico na Clínica da Família, em Realengo. Segundo o colégio, nesta segunda, todos os professores também serão orientados por psicólogos na própria instituição.

Segundo a direção da escola, esta semana haverá uma reunião com os professores para formar uma comissão que ira´se reunir com as autoridades.

Ainda segundo a direção, na próxima quarta-feira (13), as escolas da rede municipal irão parar por duas horas para discutir "melhorias gerais na rede após este episódio".

As unidades remeterão um documento à Secretaria Municipal de Educação, que irá verificar o que pode ser feito.

Duas crianças seguem em estado grave

A menina de 13 anos internada no Hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, após o ataque a escola, saiu do estado grave e se encontra em um quadro estável, de acordo com o último boletim divulgado pela assessoria da Secretaria estadual de Saúde, neste domingo (10).

Ela foi atingida no abdômen e na coluna e foi operada no Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. A menina já respira espontaneamente e está lúcida. Ao todo, dez vítimas ainda estão hospitalizadas em seis unidades do estado, duas delas seguem em estado grave.

O corpo do atirador Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, segue no Instituto Médico Legal (IML) neste domingo (10). Segundo o IML, será dado um prazo de 15 dias para algum familiar fazer a retirada, do contrário, o rapaz será enterrado como "corpo não reclamado".

Fonte: g1, www.g1.com.br