Goleiro Bruno teria usado celular na prisão para falar com noiva

O goleiro é réu no processo que investiga o desaparecimento da jovem Eliza Samudio.



Uma ligação telefônica realizada na Penitenciária Nelson Hungria pelo goleiro Bruno de Souza para a noiva Ingrid Oliveira, em 2 de dezembro de 2010, será alvo de investigação solicitada pela Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) de Minas Gerais. A Suapi informou nesta sexta-feira (22) que vai abrir um procedimento interno para apurar o uso do telefone.

O goleiro é réu no processo que investiga o desaparecimento da jovem Eliza Samudio.

A gravação de um trecho com 8 minutos da conversa entre Bruno e a noiva foi divulgada nesta sexta pelo jornal "O Tempo". Segundo a reportagem do jornal, a gravação foi feita com autorização da Justiça.

De acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o desembargador Doorgal Andrada disse que não vai se pronunciar sobre o caso da escuta telefônica até o julgamento de dois recursos pendentes no processo do goleiro. Oficialmente, a Justiça de Minas não confirmou a autenticidade da gravação.

Consultada pelo G1, a Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais (Seds) afirmou que os detentos do sistema prisional têm direito a ligações sociais, mediante autorização e justificativa, concedidas por "motivo relevante".

Entretanto, a Suapi vai investigar se houve facilitação, por meio de algum funcionário. O órgão também quer esclarecer se houve "abuso de confiança" por parte do goleiro Bruno.

Na gravação, Bruno e Ingrid conversam sobre o relacionamento do casal e o andamento do processo. O telefonema foi intermediado por uma suposta funcionária da penitenciária, que afirma ter obtido autorização do diretor para fazer a ligação.

Na época da ligação, o diretor da Penitenciária Nelson Hungria era Cosme Dorivaldo Ribeiro Santos. Segundo o governo do estado, ele não é mais o responsável pela penitenciária. O G1 ligou para a casa de Santos, mas a ligação não foi atendida.

Fonte: g1, www.g1.com.br