Grávida de gêmeos, mulher diz que filho sumiu de hospital de SP

A família de Andressa tem em mãos documentos que comprovariam a gravidez de gêmeos

Uma história impressionante intriga a polícia da cidade de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo. Uma mulher grávida fez um exame na véspera do parto que confirmou que a gestação era de gêmeos. Mas Andressa Sales, de 35 anos, saiu da sala de parto com apenas um bebê. Apesar dos exames, o hospital nega que ela estivesse esperando duas crianças.

O marido de Andressa, Rodrigo Triano, não entende o que aconteceu. Desde o início da gravidez, o casal foi informado de que teria dois filhos. Mas no dia do parto, em um hospital estadual, a história mudou. ?A médica falou que tinha um bebê só e mostrou a barriga aberta e o útero. Fiquei em estado de choque?, relembra.

A família tem em mãos documentos que comprovariam a gravidez de gêmeos. Em novembro do ano passado, Andressa recebeu um atestado com a recomendação de repouso absoluto. Aos cinco meses de gravidez, ela se afastou do trabalho por causa da pressão alta.

Em um ultrassom, feito na véspera do parto, as fotos mostram imagens que seriam dos dois bebês. O laudo traz ainda as medidas dos fetos e até o peso deles: um com mais de 2,8 kg e outro com cerca de 2,7 kg.

O médico Adolfo Liao, especialista em medicina fetal, disse que o exame é autêntico, mas, em alguns casos, o profissional pode ser induzido ao erro. ?Olhando o ultrassom, ele corresponde à documentação de uma gestação gemelar [de gêmeos]. Agora, a documentação é definida pelo médico, no momento da realização do exame?, afirmou.

?Em algumas circunstâncias, se o exame é realizado muito rapidamente, se a paciente é um pouco obesa, essas são algumas condições que podem [fazer com que] um colega, acreditando que seja uma gestação gemelar, seja induzido por uma informação errada a fazer um exame errado?, complementou o médico.

A direção do hospital onde Andressa fez o parto não gravou entrevista. Em nota, a Secretaria Estadual da Saúde informou que houve um erro no ultrassom e que Andressa sempre esteve grávida de apenas um bebê.

Os advogados dela discordam. ?Não é cabível esse argumento de que houve erro. Não se suporta essa hipótese até porque especialistas já analisaram e atestaram: não tem como errar. É muito estranho?, afirma o advogado Wilson Freire de Oliveira.

O Ministério Público também entrou no caso. Os promotores e o delegado que chefia a investigação ainda não definiram quando vão convocar os médicos do hospital para prestar depoimento. Antes de ouvir a equipe médica, eles querem avaliar os outros exames feitos por Andressa e ouvir a versão dela.

Os parentes de Andressa chegaram a temer que o outro bebê estivesse ainda na barriga dela, mas um ultrassom feito nesta sexta-feira (6) em outro hospital, em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, apontou que ela está com uma infecção pós-parto. Neste sábado (7), ela poderá ser operada novamente.

A família cuida do pequeno Gabriel. O menino, que tem apenas 7 dias de vida, vai ser submetido a um exame de DNA porque há também a suspeita de que ele não é filho biológico de Andressa.

"A polícia vai pedir o exame do DNA para comprovar, para ver se é filho, porque, do jeito que está, não dá mais para acreditar?, lamentou Moisés Triano, sogro de Andressa.

A Secretaria de Saúde de São Paulo informou também que vai encaminhar o caso ao Conselho Regional de Medicina.

Fonte: g1, www.g1.com.br