Hemopi faz ação preventiva de doação de sangue antes das férias em THE

A iniciativa se dá porque segundo o próprio pessoal do Hemopi, é comum que o Centro sofra com a diminuição do estoque de sangue

Não existe nada que substitua o sangue, por isso o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí (Hemopi), não para suas atividades. E já pensando nas férias de julho, por conta das viagens, onde as pessoas costumam doar bem menos, o Centro está se antecipando e criando um planejamento para que nesse período seja tranquilo e o estoque possa atender a demanda.

Para isso serão realizadas coletas externas. A iniciativa se dá porque segundo o próprio pessoal do Hemopi, é comum que o Centro sofra com a diminuição do estoque de sangue. Segundo Hortência Rocha, supervisora de coleta do Hemopi as coletas externas acontecerão em Teresina e em alguns municípios do Estado.

"Equipes serão deslocadas para as cidades do interior. Ainda estamos agendando em alguns municípios. Até o momento, já está certo a coleta em Regeneração", coloca a supervisora.

A proposta da campanha também foi feita para as cidade de Piripiri e Paulistana. Em Teresina, a campanha está sendo feita em faculdades, empresas e colégios.

"Além disso, estamos nos preparando para a Semana do Doador de Sangue, que será realizada na semana do dia 14 de junho", acrescenta Hortência. Na ocasião serão realizadas atividades no Hemopi visando, inicialmente, o abastecimento de maneira geral.

Todo o sangue coletado pelo Hemopi é separado em diferentes componentes (como hemácias, plaquetas, plasma e outros), e assim beneficia mais de um paciente com apenas uma doação.

Os componentes são distribuídos para os hospitais e clínicas de todo o Estado do Piauí para atender casos de emergência, pacientes internados e pessoas com doenças hematológicas.

Um ponto importante é que as campanhas deste ano devem estimular os torcedores brasileiros a organizarem as torcidas para fazer doações. Eles usam o lema #TorcedorSangueBom#.

De acordo com o Ministério da Saúde, o número de coletas no país alcançou a marca de 3,6 milhões de bolsas de sangue no ano passado. A marca é acima do percentual que a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece: que todo país deve ter, ao menos, 2% da população como doadora.

Mesmo assim, a estratégia montada pelo Governo Federal visa aumentar ainda mais esse número. Podem doar sangue pessoas com idade entre 18 anos e 67 anos e peso acima de 50 quilos. Jovens com idade entre 16 anos e 17 anos também podem doar desde que tenham o consentimento formal do responsável legal.

Fonte: Aline Damasceno