Homens armados invadem clínica e 29 pessoas diagnosticadas com Ebola fogem

Homens armados invadem clínica e 29 pessoas diagnosticadas com Ebola fogem

29 pacientes fugiram de uma clínica onde estavam sendo tratados para Ebola na Libéria depois que ela foi invadida por homens armados. Eles estavam sendo tratados na capital da Libéria, quando foram forçados a correr por suas vidas, de acordo com testemunhas. "Eles arrombaram as portas e saquearam o local. Os pacientes todos fugiram," falou Rebecca Wesseh.

Os moradores locais e o presidente da Associação dos Trabalhadores da Saúde da Libéria confirmou que o ataque tinha ocorrido. Libéria, país do Oeste Africano com o maior número de mortos pelo vírus tropical, recebeu três doses de soro raro em uma remessa especial esta semana. Médicos Zukunis Irlanda e Abraham borbor da Libéria e Dr ArOH Cosmos Izchukwu da Nigéria são os primeiros africanos a receber o tratamento.

A droga já foi administrado a dois profissionais de saúde norte-americanos e um padre espanhol, todos previamente trabalhando em hospitais da Libéria. Os norte-americanos melhoraram mas o padre espanhol morreu. "Três médicos estão sendo administrados com o tratamento que começou na quinta-feira à noite", disse o Dr. Billy Johnson, diretor médico do Centro Médico John F. Kennedy, em Monróvia. Um segundo trabalhador de saúde no centro de Elwa que está abrigando os médicos doentes confirmou que eles estavam em seu terceiro dia de tratamento.

 A agência de saúde da ONU disse que apenas cerca de 10 a 12 doses da droga foram feitas e isso levanta questões difíceis éticas sobre quem deve receber prioridade de acesso. A aparente melhora na condição de os dois norte-americanos dos trabalhadores de saúde tem alimentado a pressão popular para fazer a droga disponível para os africanos - uma causa defendida pelo grupo hashtag #giveustheserum no Twitter. Atualmente, não há vacina contra a doença altamente contagiosa e outras formas de tratamento são projetados somente para aliviar os sintomas, como febre, vômitos e hemorragias.

Até 90% das vítimas morrem - uma taxa de mortalidade tão alta que os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) classifica a doença como uma categoria "bioterrorismo" - embora a taxa de mortalidade atual é de 60%. O Presidente da Libéria, Ellen Johnson-Sirleaf declarou estado de emergência devido ao surto, amplamente visto como o maior desafio do país desde a guerra civil 1989-2003.

A Organização Mundial de Saúde diz que mais de 170 profissionais de saúde foram infectadas e pelo menos 81 morreram. Presidente dos EUA, Barack Obama chamou Johnson-Sirleaf no início desta semana para oferecer condolências pelas perdas do país e discutidas medidas de controle, a Libéria, em um comunicado.

Fonte: The Mirror