Hospital de Urgência de Teresina não têm vagas e espera pode durar até 6 horas.

Normalmente são atendidos cerca de 250 pacientes por dia no HUT

Com a inauguração do Hospital de Urgência de Teresina Dr. Zenon Rocha (HUT) em maio deste ano, todo o atendimento médico de urgência e emergência de Teresina foi transferido do Hospital Getúlio Vargas (HGV) para o novo hospital. Apesar de ter uma estrutura muito maior que a do HGV, cerca de 1.350 funcionários, sendo 344 médicos e 141 enfermeiros, e capacidade de 289 leitos e 26 UTIs, a equipe do HUT tem tido dificuldades para atender a toda a demanda que chega ao hospital.

Segundo Gilberto Albuquerque, diretor técnico do HUT, normalmente são atendidos cerca de 250 pacientes por dia. ?Desde que o hospital foi inaugurado estamos atendendo em capacidade máxima e ainda assim, fazendo o possível para conseguir atender a todos que chegam até aqui precisando de cuidados médicos?, afirma.

Ele explica que o excesso de demanda enfrentado pelo HUT desde sua inauguração é conseqüência da falta do atendimento primário nos municípios do interior e nos bairros. ?Deveríamos estar trabalhando de forma integrada com os hospitais do interior e dos bairros de Teresina, mas isso não aconte-

ce. Estamos recebendo muitos casos simples, principalmente do interior, ainda mais agora depois das eleições. Isso comprova que nestes locais não está sendo realizado o atendimento primário?, explica.

Na sala de triagem, onde os pacientes recebem o primeiro atendimento, as ma-

cas se acumulam. São em média 20 a 30 macas entrando e saindo do setor a cada hora. Segundo Gilberto

Albuquerque, a espera neste setor do hospital pode chegar até a seis horas. ?Aqui é onde os pacientes recebem o primeiro atendimento. A partir daí é verificado se eles esperam para atendimento no próprio hospital, se são remanejados para outra unidade de atendimento, ou se serão liberados. O atendimento é feito de acordo com a gravidade do caso, pois a situações mais graves recebem prioridade?, diz.

Apesar de ser o primeiro ano em que o hospital estará funcionando no período natalino, a direção do hos

pital já espera um incremento na demanda devida às festas de final de ano.

?Este período é marcado por um aumento no número de acidentes, por isso já esperamos um incremento na demanda. Por isso, reforçamos, mais uma vez, para população a necessidadde buscar primeiro o atendimento nos hospitais debairro?, explica.

Fonte: Viviane Menegazzo, Jornal Meio Norte