Saiba onde vive idoso mais velho do BR com síndrome de Down

Saiba onde vive idoso mais velho do BR com síndrome de Down

Especialista diz caso de idoso é incomum para a medicina. Adão Rodrigues da Silva, 70 anos, virou recorde nacional.

Nesta quinta-feira (21), dia dedicado internacionalmente às pessoas que têm a síndrome de Down, o exemplo do campo-grandense Adão Rodrigues da Silva, 70 anos, que tem o distúrbio genético, mostra que é possível ter elevada expectativa de vida mesmo diante dos desafios e problemas que os portadores enfrentam. Ele é apontado pela empresa RankBrasil como o mais velho do país com a síndrome.

A geneticista e professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) Liane De Rosso Giuliani explicou que o caso de Silva é incomum, ainda que haja avanços na medicina que propiciam melhor qualidade de vida para quem tem a síndrome. ?A grande maioria dos pacientes, se passar pelo primeiro ano, vive entre 40 e 50 anos?, afirma.

Para a médica, o idoso não deve ter tido problemas que comumente acometem as pessoas com Down, como distúrbios cardíacos e endocrinológicos. Na avaliação de Liane, ele superou as piores etapas que a anomalia genética pode ter, e daqui em diante deve ser tratado como qualquer idoso, sempre estimulado a fazer atividades físicas e de lazer.

Barreiras

O idoso é cuidado atualmente pela sobrinha Kamila Riquelmes de Souza, 26 anos. Antes, era o pai dela quem dedicava a vida por Silva, mas ele morreu em 2012. ?Meu pai era muito ligado a ele porque era seu único irmão. Agora, é questão de princípio e de honra dar qualidade de vida a ele?, disse.

Kamila conta que são muitas as barreiras que precisa enfrentar junto com o tio. Ela fala que dedica todo o tempo ao idoso e, por isso, teve que deixar o emprego de atendente de telemarketing e não consegue estudar e fazer faculdade.

Apesar de não conseguir seguir em frente profissionalmente, ela diz não desistir do tio. ?Se for preciso, passo necessidade ao lado dele?, diz.


Idoso mais velho do Brasil com síndrome de Down vive em MS

O ideal, segundo ela, seria que Adão passasse o dia em alguma instituição que atendesse a portadores da síndrome, mas nenhum dos quatro locais em que ela tentou vaga o aceitou. Além do motivo da idade avançada, tem a deficiência visual de Silva, que perdeu a visão há 20 anos por conta de uma meningite. ?São os maiores empecilhos?, conta.

Qualidade de vida

Mas nada impede que Silva tenha uma vida plena e feliz. Kamila conta que uma de suas principais diversões é tocar pandeiro e violão. ?Ele sabe quando o violão está desafinado. Tem muita percepção e inteligência. Ouve uma música no rádio e vai logo arranhar o violão. Gosta de Daniel e Roberto Carlos?, conta a sobrinha.

Além da música, Adão também é fã de telejornais, novelas e futebol. Basta ouvir o som da transmissão de uma partida de futebol na televisão que ele se ajeita no sofá para acompanhar. Seus times preferidos são o Comercial-MS e o Corinthians.

?Nas quartas-feiras acabo tendo que assistir jogo com ele?, diz Kamila.

O temperamento teimoso representa o antagonismo de um jeitão animado e alegre, que não abre mão de um bom passeio, afirma a sobrinha. ?É fã de refrigerante, churrasco, pão e sorvete?, relata a jovem.

Fonte: G1