Imepi fiscaliza venda de carrinhos de bebê em Teresina

Produtos só poderão ser comercializados se tiverem registro

Terminou no dia 10 deste mês o prazo para que os estabelecimentos do comércio varejista se adequassem à regulamentação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) para carrinhos infantis. Em Teresina, desde o dia 11 de julho, o Instituto de Metrologia do Piauí (Imepi) iniciou a fiscalização desses produtos no comércio local.

A partir de agora, todos os carrinhos de bebês só poderão ser comercializados se estiverem registrados no Inmetro e possuírem o selo de identificação da conformidade; evidência de que foram considerados apropriados, por meio de avaliações que verificam o atendimento aos requisitos de segurança, especialmente quanto ao sistema de retenção (cintos de segurança), migração de elementos tóxicos, propagação da chama nos tecidos utilizados, estabilidade, existência de furos que possam provocar retenção de partes de corpo e eficiência do sistema de freios e fechamento.

Atualmente, existem no mercado dezenas de modelos de cadeirinha, assento de elevação ou bebê conforto, entre importados e nacionais, certificados pelo Inmetro. Antes de comprar o acessório, os pais devem levar em consideração o peso e a altura da criança. Há dispositivos de retenção que podem ser usados por crianças de até 10 anos aproximadamente.

“É mais uma iniciativa do Imepi para tornar seguros os produtos ligados ao público infantil. Temos muitos modelos de carrinhos devidamente registrados no Inmetro e que podem ser vendidos regularmente. Mas carrinho de bebê não pode ser comprado apenas pela facilidade que ele tem de ser dobrado para caber no porta-malas ou facilitar na hora do embarque aéreo. Os pais têm que checar os itens de seguranças sendo que o freio é um dos mais importantes”, ressalta Maycon Danilo, diretor-geral do Imepi.


Fonte: Ccom