Inimigos dos EUA mudaram após 14 anos do ataque de 11 de Setembro

As conclusões são de um estudo do Centro de Pesquisas Pew.

Quatorze anos depois dos atentados terroristas do 11 de Setembro, os inimigos dos Estados Unidos mudaram, e também a percepção mundial da ação militar americana no Oriente Médio. Se a invasão do Iraque em 2003 foi amplamente rejeitada em boa parte do mundo, a maioria hoje acredita que a emergência do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) justifica o uso da força.

As conclusões são de um estudo do Centro de Pesquisas Pew, de Washington, que detectou uma melhora considerável da imagem dos EUA até no mundo árabe, onde a rejeição era a maior.

Ao contrário do que ocorreu na Guerra do Iraque, uma década atrás, a atual campanha aérea no Iraque e na Síria tem o apoio da maioria dos aliados europeus dos EUA e é endossada pelo público nos principais países do Oriente Médio, afirma o estudo.

Na média dos 40 países que participaram da nova sondagem, os ataques contra o Estado Islâmico tem a simpatia de 62% do público, um forte contraste com a opinião sobre a Guerra do Iraque. O Brasil ficou abaixo da média, com 46% de aprovação.

Em contraste, pesquisa do mesmo Pew em 2004, um ano depois da invasão do Iraque, mostrava altos índices de rejeição popular à ação americana, que variavam de 83%, na França, até 95%, na Jordânia.

Image title

Na maioria dos países, a percepção geral era que o governo de George W. Bush havia mentido para iniciar a guerra contra o Iraque. Hoje, diante da brutalidade do grupo terrorista, a maioria vê o EI como uma ameaça a ser combatida.

Um bom exemplo é a Jordânia, que liderava a reprovação à ação americana no Iraque. Agora, a maioria dos jordanianos não apenas aprova os ataques ao Estado Islâmico (77%) como apoia a entrada de seu país na coalizão militar liderada pelos EUA contra o grupo terrorista.

O interesse é direto: país que faz fronteira tanto com a Síria quanto com o Iraque, onde o Estado Islâmico atua, a Jordânia já abriga cerca de 650 mil refugiados sírios, o equivalente a 10% de sua população. A necessidade de ataques contra o EI construiu consenso nos EUA até entre eleitores democratas e republicanos, diferentemente do que aconteceu na Guerra do Iraque.

Nesse ponto, eles estão praticamente de acordo na mesma medida: a ofensiva aérea é apoiada por 88% dos republicanos, 80% dos democratas e 75% dos independentes.

Image title

ESPANTO

Alguns detalhes da reação inicial do governo americano aos atentados do 11 de Setembro, que completam 14 anos nesta sexta-feira, só agora são conhecidos.

E-mails de membros da administração Bush obtidos nesta semana pelo jornal The New York Times revelam o espanto que gradualmente se instalou na Casa Branca quando os aviões sequestrados por terroristas se chocaram contra as Torres Gêmeas do World Trade Center, em Nova York.

‘Hoje é Pearl Harbour’, diz um e-mail recebido logo após os atentados por Mary Matalin, assessora do vice-presidente Dick Cheney, do escritor conservador David Horowitz. Era uma referência ao ataque japonês à base militar dos EUA em 1941, que marcou a entrada dos EUA na Segunda Guerra.

Quase uma década e meia depois dos ataques, permanecem dúvidas e intrigas sobre os autores dos atentados e o alvo da guerra deflagrada pelos EUA em resposta, no Afeganistão e no Iraque.

Em entrevista à rede de TV Al Jazeera, o ex-presidente do Afeganistão Hamid Karzai, que assumiu o poder com o apoio dos EUA após a invasão americana derrubar o movimento extremista Taleban, negou que os atentados do 11 de Setembro tenham sido tramados em seu país por Osama bin Laden, líder da rede terrorista Al Qaeda.

‘Eu nem sei se a Al Qaeda existiu e não sei se ela existe. Eu nunca os vi e nem recebi informes de que a Al Qaeda estivesse operando no Afeganistão. Para mim é um mito’, disse Karzai.

‘Para nós, eles não existem’.

Fonte: Folha de São Paulo