Interdição da Ponte Metálica congestiona o trânsito

A Ponte da Amizade é a mais visada, porém até mesmo a Ponte Engenheiro Antônio Noronha, conhecida também por Ponte Nova, está concentrando congestionamentos

CONFIRA A REPORTAGEM COMPLETA NA EDIÇÃO DESTA QUINTA-FEIRA (25) DO JORNAL MEIO NORTE

A Ponte Governador João Luís Ferreira, conhecida pela população como Ponte Metálica, localizada sob o Rio Parnaíba ligando o Centro de Teresina a cidade de Timon (MA), é muito mais do que apenas um belo cartão postal. No local, passam centenas de veículos todos os dias, pois além de servir tradicionalmente como passagem ferroviária, o local também é utilizado por condutores.

Porém, atualmente a ponte está interditada há mais de uma semana, sendo utilizada apenas por trens que transportam combustível. Os condutores reclamam que isso piorou e muito o trânsito das outras pontes que ligam a capital à vizinha maranhense. A Ponte da Amizade é a mais visada, porém até mesmo a Ponte Engenheiro Antônio Noronha, conhecida também por Ponte Nova, está concentrando congestionamentos.

E os motoristas reclamam muito. “Eu passo, sem brincadeira, de 20 a 30 minutos apenas para atravessar a Ponte da Amizade. É um absurdo. Entro 8h no meu emprego, que fica no centro mesmo, e tenho que sair de casa com pelo menos 2h de antecedência para não perder o horário”, comenta a bancária Paula dos Santos. “Nessa situação, só resta um crediário pra comprar um helicóptero”, complementa secretária Alinny Karla, que mora em Timon e trabalha em Teresina.

E não são só os condutores que estão enfrentando problema. Estudantes da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) que moram na cidade de Timon não podem mais fazer a travessia de um lado a outro, mesmo sendo pedestres. Carmen Kemoly é uma das prejudicadas. “A dificuldade também existe para os estudantes da UESPI que antes poderiam ir da parada da Ponte Metálica a pé, porque tem ônibus direto lá. E agora, além de dar uma volta enorme, o local mais próximo para a gente é a parada da Avenida Campos Sales”, afirma a estudante de Comunicação Social.

A Prefeitura de Teresina não tem nenhuma participação na obra de interdição da Ponte Governador João Luís Ferreira, conhecida como Ponte Metálica. É o que diz Ângelo Cavalcante, gerente de serviços urbanos da Superintendência de Desenvolvimento Urbano da região Centro-Norte (SDU/Centro-Norte).

Ângelo Cavalcante declara que o que compete à Prefeitura Municipal de Teresina está em ordem. “Aquelas obras que estão sendo realizadas partem da Companhia Ferroviária Nacional (CFN), e a Ponte Metálica é de responsabilidade do Governo do Estado do Maranhão e da Prefeitura Municipal de Timon”, declara. Procurada, a CFN não apresentou retorno até o fechamento desta edição.

Repórter: Lucrécio Arrais

 

Fonte: Lucrécio Arrais