Americano é inocentado pela justiça após ficar 19 anos preso

O homem foi condenado por assassinato e tentativa de assassinato durante um tiroteio.

Um ex-membro de uma gangue foi inocentado da acusação de homicídio após passar 19 anos na prisão por conta do crime. John Edward Smith, 38 anos, foi condenado por assassinato e tentativa de assassinato durante um tiroteio em uma região dominada por gangues em Los Angeles, há 19 anos.

Segundo seus advogados, ele foi vítima de um falso testamento da única vítima do incidente, de acordo com informações da AP.

Smith poderia ter sido inocentado já na sexta-feira, mas a doença de um juiz provocou o adiamento da audiência para tratar do caso para esta segunda-feira. Deirdre O"Connor, da firma de advocacia que representou Smith, afirmou que a única testemunha cujo depoimento condenou o então jovem de 19 anos recentemente admitiu que mentira no julgamento. A testemunha, única sobrevivente do tiroteio, afirmou que um policial dissera a ela para identificar Smith como o atirador.

O"Connor, que declarou ter grande confiança na inocência de Smith desde o início, disse que tanto seu cliente quanto Landu Mvuemba, a testemunha que o incriminou, foram submetidos a repetidos testes de polígrafos que confirmaram a alegação de inocência de Smith, que é negro. Em páginas do processo, a advogada reportou que Mvuemba procurou representantes de seu escritório em 2010 e disse que havia mentido no julgamento. O"Connor disse que a testemunha, com 16 anos na época, declarou que a polícia lhe disse que sabia quem tinha cometido o crime.

Mvuemba afirmou ao escritório de advocacia que foi muito pressionado a seguir com a história. Ele acrescentou que tentou por três vezes dizer às autoridades a verdade, que ele não tinha visto o suficiente para testemunhar, mas nunca foi ouvido.

Além do falso testemunho, O"Connor também afirmou que seu cliente foi mal representado, uma vez que sua equipe de defesa fora ineficiente tanto no julgamento quanto na apelação. A advogada disse que geralmente advogados e a polícia agem com extrema rapidez em casos envolvendo gangues.

Smith sempre sustentou que estava na casa de sua avó no dia do crime, em setembro de 1993, e que não sabia de nada sobre o ocorrido. O"Connor disse que agora seu cliente quer arrumar um emprego e começar uma nova vida.

Fonte: Terra