Atriz pornô confessa participação em morte durante festa sexual

Atriz pornô confessa participação em morte durante festa sexual

Eles acertaram a cabeça da víitma com uma marreta e o esfaquearam múltiplas vezes

Uma atriz pornô acusada de matar, junto com seu namorado, um dono de estúdio de tatuagem durante uma festa sexual se declarou culpada e deve receber pena de 40 anos de prisão, segundo o ?Tampa Bay Times?.

Amanda Kaye Logue, uma atriz pornô e modelo de fetiches de 30 anos, e seu namorado, Jason Andrews, acertaram a cabeça de Abrahamsen com uma marreta e o esfaquearam múltiplas vezes durante uma festa sexual, segundo a polícia. O corpo foi encontrado em uma mesa de massagem na casa da própria vítima.

O posicionamento de Amanda vem depois de seu namorado, Jason Andrews, também ator pornô, declarar-se culpado por assassinato de primeiro grau (premeditado) em janeiro. Segundo o ?Tampa Bay Times?, Andrews concordou em prisão perpétua, sem a possibilidade de condicional.

A defesa de Amaentrou em acordo com homicídio de segundo grau (não premeditado), o que reduziu a pena da atriz para 40 anos.

Crime

Investigadores dizem que Logue trabalhou como prostituta na festa na casa Abrahamsen e que, enquanto estava fazendo sexo com o tatuador, Andrews esperava fora do local, esperando pelo sinal para atacar.

O casal teria trocado mensagens de texto que denunciaram o ataque. "Estou tão feliz que você realmente está comprometida para esta tomada. Procure por uma faca etc, para mim!", Andrews teria escrito. Já Logue escreveu que queria ter relações sexuais com Andrews "depois de matar" Abrahamsen.

Autoridades dizem que o casal roubou US$ 6 mil em dinheiro da casa, junto com as câmeras e um laptop. Eles foram presos poucos dias depois sob acusação de roubo em uma loja de roupas. Quando Logue foi presa sob a acusação de assassinato em 27 de maio de 2010, Andrews havia desaparecido.

Para uma amiga de Logue, a atriz é uma ?pessoa gentil? que foi influenciada negativamente pelo seu namorado, disse em depoimento, segundo o jornal. Já Donna Rella, prima da vítima, a hostilizou no julgamento nesta segunda-feira (21). ?Você não é uma pessoa, você é um ser vil?, teria dito.

Fonte: G1