Autópsia indica que Kadafi morreu por tiro com arma de fogo

Autópsia indica que Kadafi morreu por tiro com arma de fogo

A autópsia foi feita na madrugada do domingo.

O ex-ditador líbio Kadafi morreu por uma ferida de bala, segundo informou à Reuters um médico envolvido na autópsia feita na madrugada do domingo.

"Ele morreu por uma ferida de bala", disse ele sem dar mais detalhes se foi pela ferida aparente no lado esquerdo da cabeça de Kadafi. "Ainda há muitos assuntos. Nós temos que passar (o relatório) para os fiscais. Mas tudo será revelado publicamente. Nada será escondido".

A autópsia ocorreu em Misrata, a cerca de 200 quilômetros da capital Trípoli. Autoridades locais disseram que o corpo de Kadafi seria levado de volta para um armazém frigorífico em um antigo mercado de Misrata, onde tem sido exposto em público.

 

Insurreição líbia culmina com queda de Sirte e morte de Kadafi

Motivados pelos protestos que derrubaram os longevos presidentes da Tunísia e do Egito, os líbios começaram a sair às ruas das principais cidades do país em fevereiro para contestar o coronel Muammar Kadafi, no comando desde a revolução de 1969. Rapidamente, no entanto, os protestos evoluíram para uma guerra civil que cindiu a Líbia em batalhas pelo controle de cidades estratégicas de leste a oeste.

A violência dos confrontos gerou reação do Conselho de Segurança da ONU, que, após uma série de medidas simbólicas, aprovou uma polêmica intervenção internacional, atualmente liderada pela Otan, em nome da proteção dos civis. No dia 20 de agosto, após quase sete meses de combates, bombardeios, avanços e recuos, os rebeldes iniciaram a tomada de Trípoli, colocando Kadafi, seu governo e sua era em xeque.

Dois meses depois, os rebeldes invadiram Beni Walid, um dos últimos bastiões de Kadafi. Em 20 de outubro, os rebeldes retomaram o controle de Sirte, cidade natal do coronel e foco derradeiro do antigo regime. Os apoiadores do CNT comemoravam a tomada da cidade quando os rebeldes anunciaram que, no confronto, Kadafi havia sido morto. Estima-se que mais de 20 mil pessoas tenham morrido desde o início da insurreição.

Fonte: Terra