Avião de companhia de voo sumido faz pouso forçado em falha na decolagem

Voo com 166 pessoas teve problemas no trem de pouso após decolagem

A Malaysia Airlines anunciou neste domingo (20, segunda-feira no horário local) que um avião com 166 pessoas a bordo precisou realizar um pouso de emergência em Kuala Lumpur, capital da Malásia, após o trem de pouso da aeronave apresentar problemas na decolagem.


Avião de companhia de voo sumido faz pouso forçado após falha na decolagem

A companhia informou que, após o problema, a aeronave do voo MH192 precisou abandonar o trajeto, mas que conseguiu retornar ao aeroporto de Kuala Lumpur em segurança.

O voo MH192 viajava de Kuala Lumpur a Bangalore, na Índia, informou a companhia aérea.

O ministro da defesa e dos transportes, Hishammuddin Hussein, se pronunciou por meio de sua conta no Twitter. "Todos pousaram em segurança, estamos indo para lá agora", escreveu o representante.

Anteriormente, a Malaysia Airlines havia comunicado que um Boeing 737-800 com 159 passageiros e 7 tripulantes havia sofrido com um mal funcionamento no trem de pouso direito durante a decolagem, e que seria forçado a realizar um pouso de emergência.

O site www.flightradar24.com, que mostra informações de tráfefo aéreo em tempo real, mostrou que o voo Flight MH192 circulou várias vezes o aeroporto da capital, antes de conseguir realizar a aterrissagem.

Serviços de resgate foram colocados de prontidão no local, completou a companhia aérea.

Desastre aéreo

No início do mês passado, o voo MH370, da mesma companhia e que também saiu de Kuala Lumpur, com 239 pessoas a bordo rumo a Pequim na madrugada do dia 8 de março (tarde do dia 7 no Brasil), desapareceu dos radares civis da Malásia cerca de 40 minutos após a decolagem. Até o momento, pouco progresso para encontrar a aeronave foi alcançado.

Neste sábado (19), Hishammuddin Hussein disse também que a busca do Boeing 777 desaparecido está em uma "fase crítica", e afirmou na última quarta-feira (16) que a operação de busca no fundo do mar, a 2.000 km da cidade australiana de Perth com a ajuda do minissubmarino Bluefin-21, teria duração de apenas uma semana.

A primeira operação com um minissubmarino, de cinco metros de comprimento e equipado com um sonar, aconteceu em 14 de abril. O aparelho superou a profundidade de 4.500 metros no Oceano Índico, mas não conseguiu encontrar nada.

Segundo especialistas, o voo MH370, que viajava entre Kuala Lumpur e Pequim, caiu no mar ao sul do Oceano Índico.

As buscas atuais estão concentradas em uma área de 77.580 quilômetros quadrados situada a 2.268 quilômetros ao noroeste de Perth, na costa oeste da Austrália, de acordo com o Centro de Coordenação de Agências Conjuntas em seu último comunicado.

As equipes de resgate também trabalham no local onde o navio chinês Haixun 01 detectou sinais em um ponto situado a cerca de 600 quilômetros ao sul do lugar onde está o Ocean Shield.

Fonte: G1