Capitão do Concordia se negou a voltar ao navio, diz imprensa

Capitão do Concordia se negou a voltar ao navio, diz imprensa

Segundo testemunhas, o capitão Schettino já estava em terra antes da meia-noite, provavelmente por volta das 23h40 locais

Um telefonema gravado entre a capitania dos portos e o comandante do Costa Concordia, que naufragou na noite de sexta-feira passada no litoral italiano, revela que Francesco Schettino se negou a voltar ao navio para liderar a evacuação dos passageiros, informa a imprensa italiana nesta terça-feira (17).

Exatamente à 1h46 (local), quando centenas de pessoas ainda permaneciam no navio, um oficial da capitania ordenou ao capitão Schettino que voltasse ao Costa Corcordia.

"Agora vá até a proa, suba pela escada de socorro e coordene a evacuação. Você precisa nos dizer quanta gente ainda está lá, se há crianças, mulheres, passageiros, o número exato de cada categoria".

"O que você está fazendo? Abandonou o socorro?" - pergunta o oficial.

"Capitão, é uma ordem, eu estou no comando agora e você, que declarou abandono do navio, precisa ir até a proa, voltar a bordo e coordenar" a retirada dos passageiros.

O oficial da capitania pergunta se "há mortos" e Schettino responde: "quantos?"

O oficial se irrita e emenda: "É você que deve me dizer se há mortos. O que está fazendo? Quer ir para casa?"

"Agora você volta lá e nos diz o que podemos fazer, quantas pessoas há, quais são suas necessidades" - ordena o oficial da capitania.

Segundo testemunhas, o capitão Schettino já estava em terra antes da meia-noite, provavelmente por volta das 23h40 locais.

De fato, em um primeiro telefonema, à 0h42, o capitão diz uma frase comprometedora ao falar por telefone com a capitania: "não podemos subir a bordo por que o navio está inclinando pela popa".

"Capitão, você já abandonou o navio?" - reage o oficial da capitania, ao qual Schettino responde: "Não! É claro que não."

Segundo a imprensa italiana, a investigação da capitania do porto de Livorno revela que ocorreu um "motim" da tripulação, que decidiu pela evacuação do navio diante da falta de ação de Schettino.

O capitão afirma que jogou o navio na ilha de Giglio para salvar os passageiros, após bater em um rochedo que não constava das cartas náuticas.

Schettino, que permanece detido desde domingo (15), deve ser interrogado nesta terça-feira.

Na quarta-feira, devem ser realizadas autópsias nos cinco corpos de vítimas já resgatados pelas equipes.

Fonte: G1