China inicia busca em seu território por pistas de avião que desapareceu

Boeing com 239 a bordo desapareceu no último dia 8 (horário de Brasília).

A China começou a procurar dentro do território do seu país por pistas que levem ao Boeing 777 da Malaysia Airlines, que desapareceu com 239 pessoas a bordo, informou a agência de notícias Reuters citando o embaixador chinês na Malásia Huang Huikang.


China inicia busca em seu território por pistas de avião que desapareceu

A busca pelo Boeing se concentra em dois amplos corredores em terra e mar (veja mapa ao lado). O corredor sul é o privilegiado pelas autoridades, enquanto o norte passa sobre vários países cujos radares militares podem ter detectado um Boeing 777.

O território chinês entá entre uma das possíveis rotas . A Malásia já pediu ajuda aos 11 países que compõem este caminho para saber se seus radares captaram algum voo que não estava programado. Índia e Paquistão já responderam que não registraram a presença do 777.

Em busca de informações que pudessem esclarecer o mistério sobre o voo MH370, Pequim investigou a vida de passageiros chineses e descartou qualquer envolvimento deles no sumiço do avião.

Segundo a agência France Presse, não há "elementos" que liguem os cidadãos chineses ao episódio. "Nós não encontramos nenhuma evidência de que os passageiros chineses foram capazes de sequestrar o avião ou serem autores de um ataque, disse o embaixador chinês na Malásia, de acordo com a agência oficial Xinhua.

Pilotos

As investigações se concentram na cabine dos pilotos e nas últimas palavras recebidas em terra, pronunciadas pelo copiloto, que coincidiram com o momento em que os principais sistemas de comunicação da aeronave foram desligados.

saiba mais

EUA suspeitam que pilotos são culpados por sumiço de avião, diz TV

Busca por avião atravessa continente e polícia investiga tripulação

Três evidências indicam sequestro do avião desaparecido, diz especialista

Malásia diz que "alguém" desligou comunicação de avião sumido

Veja hipóteses de especialistas para o sumiço do Boeing na Malásia

Às 01H19 de sábado 8 de março (14H19 de sexta-feira no horário de Brasília), 38 minutos após a decolagem do Boeing 777 de Kuala Lumpur com destino a Pequim, o controle aéreo registrou a última comunicação oral a partir da cabine do piloto: "Tudo bem, boa noite".

O sistema ACARS (Aircraft Communication Addressing e Reporting System), que permite a troca de informações entre a aeronave em voo e o centro operacional de uma companhia aérea, emitiu um último sinal às 01h07. Ele deveria voltar a emitir meia hora depois, às 01h37. A desativação deste sistema é necessariamente realizada por um piloto ou uma pessoa com conhecimentos na área, de acordo com especialistas.

"Míssil"

O transponder, um outro dispositivo crucial, que envia informações sobre a posição da aeronave, foi deliberadamente desligado dois minutos após a mensagem atribuída ao copiloto. O avião desapareceu dos radares civis às 1h30. Os dados coletados desde então permitem afirmar que o avião mudou de direção entre a Malásia e o Vietnã e continuou voando por quase sete horas.

Radares militares malaios detectaram um sinal na mesma madrugada, posteriormente identificado como vindo do voo MH370

"Algo aconteceu com o piloto", afirmou em Washington o presidente do Comitê de Segurança Interna na Câmara dos Representantes, Michael McCaul, que disse contar com relatórios da "segurança interna" do serviço de contra-terrorismo e inteligência". Ele também especulou que o avião pode ter sido sequestrado e escondido para uso posterior de "míssil".

Autoridades malaias enfatizam que o histórico de todas as 239 pessoas a bordo, incluindo 227 passageiros, foi analisado.

O copiloto teria convidado uma jovem passageira à cabine durante um voo entre a Tailândia e Kuala Lumpur em 2011, uma atitude contrária aos regulamentos desde os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos.

Dois caminhos

Mas os dois pilotos não pediram para trabalharem juntos neste voo e nada durante as buscas em suas casas foi encontrado que possa incriminá-los, insistiram as autoridades da Malásia.

Um sinal de satélite teria mostrado o Boeing 777 em um espaço pouco provável, entre o norte da Tailândia e a Ásia central, tendo como destinos Índia ou Cazaquistão. Outra possibilidade, mais lógica, é uma área entre a Indonésia e o Oceano Índico.

Mas o primeiro-ministro da Austrália, Tony Abbott, afirmou nesta segunda-feira que não recebeu nenhuma informação sobre a possibilidade de que o Boeing 777 da Malaysia Airlines tenha sobrevoado as costas do país.

O número de países envolvidos nos esforços para encontrar a aeronave chega a 26. A França enviou três investigadores especializados, entre eles Jean-Paul Troadec, ex-diretor do Escritório de Investigação a Análise (BEA) que investigou o acidente do voo AF447 Rio-Paris da Air France em junho de 2009.

O colégio francês de Pequim, onde estudavam três adolescentes a bordo do MH370, recebeu nesta segunda-feira uma equipe de especialistas, que pretendem fornecer assistência psicológica aos alunos. As famílias dos passageiros chineses expressavam sua indignação, acusando as autoridades malaias de dissimulação e de "dizer qualquer besteira".

"Apenas o governo malaio sabe a verdade. Ele tem dito qualquer besteira desde o início", reclamou Wen Wancheng, de 63 anos, cujo filho estava a bordo do Boeing 777.

Fonte: G1