Inundações nas Filipinas deixam quase duzentos mortos

Inundações nas Filipinas deixam quase duzentos mortos

Chuva forte causada pela tempestade tropical Washi inunda rios e cria paredes de água

Chuva forte causada pela tempestade tropical Washi inundou rios e fez com que paredes de água corressem pelo sul das Filipinas enquanto as pessoas dormiam, deixando ao menos 200 mortos e vários desaparecidos, disseram autoridades neste sábado.

Alguns dos mortos foram arrastados para o mar nas cidades costeiras de Cagayan de Oro e de Iligan, as mais duramente atingidas na Província de Mindanao, que normalmente não é afetada pelos ciclones que são comuns às outras regiões da nação.

Citando dados dos militares, o conselheiro Alvin Bacal afirmou que 107 morreram somente em Cagayan de Oro. Em Iligan, 79 corpos foram encontrados depois de mais de 12 horas de chuva contínua, segundo o prefeito Lawrence Cruz. De acordo com o porta-voz militar Randolph Cabangbang, há cerca de 250 desaparecidos em iligan.

As autoridades acreditam que o número aumentará à medida que avancem as operações de resgate. Salvo as vítimas de Compostela Valley, que foram levadas por deslizamentos de terra, os demais morreram afogados.

O Exército atua com 10 mil soldados e três helicópteros nas operações de resgate em Cagayan de Oro, enquanto uma segunda divisão faz o mesmo trabalho em Iligan. Além disso, navios da Marinha, da guarda-costeira e da frota pesqueira se coordenam para localizar os desaparecidos. Dezenas de milhares buscaram refúgio em zonas mais altas de Mindanao.

Cerca de 20 mil estão em abrigos disponibilizados em Cagayan de Oro, que amanheceu sem serviço elétrico. O governo filipino declarou estado de calamidade apenas em Iligan, por enquanto.

A tempestade Washi, com ventos de 65 km/h e chuvas fortes, mantém neste sábado seu curso através de Mindanao, a caminho do mar de Jolo, segundo o serviço meteorológico filipino. Mais de 100 pessoas morreram nas Filipinas em setembro e outubro como consequência da passagem consecutiva dos tufões Nesat e Nelgae pela região norte do país.

Fonte: IG