Cientistas afirmam que a cura para o HIV pode estar próxima

Cientistas britânicos podem ter encontrado a cura para o HIV

A cura do HIV pode estar mais próxima do que a ciência imaginava. Cientistas britânicos afirmam que um de seus pacientes não apresentou nenhum sinal do vírus após passar por um tratamento inovador. A notícia aumenta a esperança de que a nova técnica pode funcionar em outras pessoas com a doença. As informações são do jornal The Sunday Times.

O novo tratamento une remédios já usados para combater o HIV e novas técnicas. Primeiramente, os pacientes receberam doses das drogas antivirais para prevenir a disseminação das células do tipo T (células do sistema imunológico que são infectadas pelo vírus). O efeito disso é o armazenamento do HIV nas células.

Depois, os cientistas infectaram as pessoas com um vírus que estimula o sistema imunológico. Com isso, ele fica mais forte para encontrar e destruir as células T infectadas.

O passo final é chamado de kick and kill (chutar e matar, em português) e consiste em dar aos pacientes outra droga, apelida de Vornostat. Segundo os cientistas, ela ativa a células T dormentes para que elas expressem as proteínas associadas ao HIV. Assim, o sistema imune é capaz de encontra-las e destruí-las.

A pesquisa está sendo realizada por cinco universidades britânicas com o apoio do NHS, o serviço nacional de saúde do Reino Unido. Das 50 pessoas que começaram o novo tratamento, apenas um homem de 44 anos já o terminou. Exames de sangue revelaram que ele não possui mais o vírus do HIV no sistema.

Isso não quer dizer que o paciente está curado. O vírus pode retornar, como aconteceu com uma menina dos Estados Unidos. Ela tinha nascido com o vírus e recebeu uma grande quantidade de medicamentos antirretrovirais durante as suas primeiras 30 horas de vida. O hospital manteve o tratamento até perder o contato com a mãe. Após cinco meses, ela reapareceu com a filha sem o vírus no corpo. Porém, dois anos depois o vírus ressurgiu.

“Esta é uma das primeiras tentativas sérias de uma cura completa para o HIV. Estamos explorando a possibilidade real disso ser verdade. Este é um desafio enorme e ainda é cedo, mas o progresso tem sido notável”, disse Mark Samuels, diretor geral do NHS, ao The Sunday Times.

Até agora, a ciência reconhece que apenas uma pessoa foi curada do HIV. Em 2007, o americano Timothy Ray Brown foi submetido a um transplante de medula óssea na Alemanha para o tratamento de leucemia. Para isso, os médicos usaram um doador que era naturalmente imune ao HIV devido a uma mutação genética.

As células-tronco transplantadas reconstruíram o sistema imunológico do americano e substituíram suas células cancerígenas com as células resistentes ao HIV. Durante três anos, Brown não tomou antirretrovirais e seu sangue não revelou nenhuma partícula do vírus. Entretanto, os transplantes de células-tronco podem ser perigosos e são recomendados apenas quando podem salvar uma vida.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, cerca de 37 milhões de pessoas vivem com HIV em todo o mundo e aproximadamente 35 milhões de pessoas já morreram em consequência da infecção pelo vírus.

Fonte: exame.abril.com