Condenada mãe que jogava quando seu bebê morreu

O bebê ficou sozinho na banheira por 10 minutos e ela conta ter ouvido sons da criança se mexendo na água.

Uma americana que estava jogando no Facebook enquanto seu filho de 13 meses morria afogado numa banheira foi condenada a dez anos de prisão. Segundo a sentença do juiz Thomas Quammen, apesar de Shannon Johnson, 34 anos, não ter tido a intenção de afogar o filho Joseph, seu ato não deixa de ter sido criminoso.

Em março, a americana da cidade de Fort Lupton, no Colorado, se declarou culpada da acusação de ter causado a morte de seu filho por negligência. Ao ser interrogada, Shannon contou que em setembro do ano passado deixou o filho na banheira e foi para outro cômodo jogar o jogo de Facebook Cafe World, no qual o usuário simula estar administrando um restaurante.

De acordo com ela, o bebê ficou sozinho na banheira por dez minutos e ela conta ter ouvido sons da criança se mexendo na água.

Ao retornar ao banheiro ela viu o filho virado dentro da banheira e gorgolejando e decidiu, então, chamar o serviço de emergência, informando que Joseph não estava respirando. Os paramédicos tentaram reavivar o bebê, mas ele foi declarado morto em um hospital de Denver.

"Bebê independente"

Ao ser interrogada, ela afirmou que o menino "queria ser deixado em paz", que era "um bebê independente" e que ela não queria que ele fosse um "filhinho de mamãe".

Ela afirmou que dava banho na criança diariamente, às vezes duas vezes ao dia. No dia em que Joseph morreu, ela afirma que talvez tenha deixado a água alcançar um nível um pouco acima do habitual. Ela contou ainda que vinha deixando o filho sozinho na banheira há algumas semanas.

De acordo com o relato da mãe, o bebê havia tido uma convulsão na casa da avô um mês antes e vinha sendo medicado. Os médicos não chegaram a diagnosticar a causa do ataque e não houve novas ocorrências.

Quando a polícia questionou a decisão de deixar uma criança com um histórico de convulsões sozinha na banheira, Johnson admitiu que "foi uma coisa tão idiota".

Fonte: Terra, www.terra.com.br