Depois de torturar e humilhar recruta britânico, colegas postam fotos; veja

lência, que aconteceu em março deste ano, foi uma forma de punir o jovem porque ele se recusou a sair para beber com os colegas.

Um jovem soldado britânico teve seu sonho de servir o país transformado em pesadelo. Ele foi fotografado enquanto era agredido e humilhado pelos colegas de quartel. O recruta, de apenas 18 anos, aparece seminu e com as mãos atadas nas imagens divulgadas por jornais ingleses, incapaz de se defender do ataque.

A violência, que aconteceu em março deste ano, foi uma forma de punir o jovem porque ele se recusou a sair para beber com os colegas. ?Eles queriam que eu saísse com eles, mas eu não queria ir?, lembrou o soldado.

O jovem, que estava prestando serviço em um quartel na Alemanha, também disse que sentiu que algo estava para acontecer, após sua recusa em sair, e que sabia que não tinha como escapar da situação. Em seguida, três homens entraram em seu quarto.

? Eles tiraram minha roupa e me amarraram com fita isolante.



Uma das fotos mostra os militares colocando fita isolante na genitália do recruta. Em seguida, o recruta foi arrastado por um corredor onde vários soldados tiraram fotos dele e depois o abandonaram no chão.

? Você aprende a aceitar [os abusos]. Se você reclama, só fica pior, então você mantém sua boca fechada.

Ele conseguiu, então, se libertar e acreditou que o pior havia passado, mas dias depois as fotos do abuso foram postadas no Facebook.

? Tudo demorou cerca de dez minutos. Se aquilo tivesse acontecido nas ruas, todos [os envolvidos] estariam presos, mas isso é rotina dentro do Exército.

Depois disso, o jovem abandonou o posto e retornou à Grã-Bretanha. Por ter saído da Alemanha sem autorização, o soldado poderá enfrentar penalidades na Justiça militar.

As imagens, do ato descrito como tortura pelo jornal britânico Mirror, foram divulgadas com o consentimento do soldado.

O jovem, que se juntou ao Exército logo após completar 16 anos, diz que está desesperado para receber baixa e deixar o serviço. Ele sempre sonhou em seguir a carreira militar, mas acredita que será impossível continuar a trabalhar na divisão em que estava após ter sido assediado pelos colegas.

Fonte: r7