Duas bombas explodem em embaixadas diferentas na Itália

Duas bombas explodem em embaixadas diferentas na Itália

Um terceiro explosivo foi encontrado na representação ucraniana

Duas bombas explodiram em embaixadas em Roma , capital da Itália, nesta quinta-feira (23), e uma terceira foi encontrado em outra representação diplomática. A primeira explosão, na Embaixada da Suíça, feriu gravemente uma pessoa, enquanto a segunda, que ocorreu na do Chile, produziu ferimentos leves em um funcionário do local, informou a agências de notícias espanhola EFE.

A rede de TV CNN informou, por outro lado, que uma terceira bomba, que não explodiu, foi encontrada na Embaixada da Ucrânia. Já o funcionário atingido pela bomba na representação suíça corre o risco de perder a mão esquerda.

O Ministério das Relações Exteriores do Chile afirmou à agência de notícias italiana Ansa que está "reunindo informação oficial" sobre a explosão.

Os ataques não foram reivindicados por nenhuma organização.

Na última terça-feira (21), foi encontrada em um vagão vazio da linha B do metrô de Roma uma bomba rudimentar, composta por vários canos e pólvora, e que carecia de detonador.

De fato, fontes policiais explicaram que, por enquanto, estão sendo investigadas todas as hipóteses, incluindo a que exista algum tipo de conexão entre a bomba achada na terça-feira e a que explodiu hoje.

Alguns veículos de imprensa italianos asseguram que a primeira hipótese com a qual trabalham os agentes é a de uma ação anarquista.

Mediante um comunicado de imprensa divulgado pouco após a explosão, o ministro italiano de Relações Exteriores, Franco Frattini, condenou o ato e expressou sua solidariedade aos funcionários da delegação suíça em Roma.

- Somos plenamente solidários ao embaixador suíço e a todo o pessoal dessa delegação diplomática, alvo de um deplorável ato de violência que merece nossa mais firme condenação.

A polícia italiana foi mobilizada e está realizando uma inspeção em todas as embaixadas de Roma, em conjunto com o Ministério das Relações Exteriores do país. O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, irá se reunir com o ministro do Interior, Roberto Maroni, para discutir os atentados.

Fonte: R7, www.r7.com