Esposa de Leopoldo López pede nos EUA apoio internacional para libertá-lo

Lilian viajou junto com os pais de seu marido e parte de sua equipe de advogados para Boston e Flórida dentro da tour americana


Esposa de Leopoldo López pede nos EUA apoio internacional para libertá-lo

Lilian Tintori, esposa de um dos líderes da oposição venezuelana Leopoldo López, pediu em Washington nesta segunda-feira (21) apoio internacional para conseguir a libertação de seu marido, preso desde 18 de fevereiro acusado de instigar os protestos estudantis na Venezuela.

Lilian, acompanhada por sua família, insistiu hoje na capital americana na "injustiça da justiça venezuelana" e insistiu na necessidade de a comunidade internacional pressionar o governo de Nicolás Maduro para que liberte todos os presos políticos que estão nas prisões venezuelanas.

"Esperamos solidariedade, não desejamos a nenhum país do mundo o que nós estamos vivendo; não desejamos a ninguém viver numa ditadura. Acreditamos nos valores da política externa, sabemos que é muito importante o que outros países dizem", disse a esposa de López na coletiva.

Lilian afirmou que seu marido precisa "do apoio de todos os países do mundo que respeitam a liberdade e que estes mandem uma mensagem que deixe claro que Maduro não pode cercear os direitos dos cidadãos impunemente".

"Leopoldo López tem que ser libertado, e não há nenhuma só razão para que ter sido preso", insistiu, que explicou que durante as audiências preliminares de seu julgamento, a promotoria foi incapaz de apresentar uma só prova contra ele.

"O processo judicial é totalmente uma piada. Não achamos que terá uma audiência justa", explicou à imprensa o advogado Jared Genser, que a acompanha na viagem. Faltando apenas dois dias para a próxima audiência, a defesa diz não tem esperanças de ser respeitado o "devido processo".

"Portanto vamos garantir que para cada país que o presidente Maduro viaje, precise escutar sobre Leopoldo López", acrescentou Genser.

Perguntado pelas possíveis sanções que o congresso americano avalia aplicar contra alguns dos funcionários do governo venezuelano, Genser respondeu que não cabe a ele dizer aos países como devem reagir politicamente ao que ocorre na Venezuela.

"O que queremos é que levantem a voz a favor de direitos que são fundamentais", disse.

Lilian viajou junto com os pais de seu marido e parte de sua equipe de advogados para Boston e Flórida dentro da tour americana, após passar pela Colômbia e fazer escala em várias cidades europeias, como Madri, Paris e Roma, onde foi recebida pelo papa Francisco.

Após Washington ela fará novas paradas na América Latina ? Buenos Aires, Santiago do Chile e Rio de Janeiro ? com o objetivo de alimentar a campanha internacional a favor da libertação de seu marido. López é acusado de ser o autor intelectual de incêndio proposital, instigação pública, danos e formação de quadrilha pelos incidentes de 12 de fevereiro, quando uma manifestação pacífica convocada junto com outra de estudantes no centro de Caracas derivou para violentos conflitos.

Após ser acusado diretamente pelo presidente venezuelano e com uma ordem de prisão dada pela justiça, López se entregou às autoridades em 18 de fevereiro após liderar uma grande manifestação com milhares de seus seguidores. Desde então está detido numa prisão nos arredores de Caracas.

Fonte: r7