EUA querem reativar relação com Brasil durante reunião do G20

EUA querem reativar relação com Brasil durante reunião do G20

As relações entre os dois países foram seriamente afetadas por causa das revelações do ex-analista da Agência de Segurança Nacional

Os Estados Unidos mostraram ter “esperanças” de poder reativar a relação com o Brasil, abalada por revelações sobre o programa de espionagem americano, na reunião marcada para o final de semana entre os presidentes de ambos países durante a Cúpula do G20 na Austrália.

A porta-voz do Departamento de Estado de EUA, Jen Psaki, assegurou que há grandes expectativas com relação à reunião entre o presidente americano, Barack Obama, e a brasileira, Dilma Rousseff, e sobre a possibilidade de criar uma nova fase na relação após a reeleição da governante em outubro.

“Falei disto com o secretário de Estado [John] Kerry, e ele sente que, depois das recentes eleições no Brasil, está esperançoso de que possamos impulsionar realmente a relação”, disse Psaki em entrevista coletiva.

“'Tivemos alguns desacordos ao longo do último ano, aproximadamente, e isso não é um segredo, mas o Brasil continua sendo um aliado importante. Kerry está esperançoso de que possamos nos envolver mais e mais em nossa relação ali”, acrescentou. Nesse sentido, Psaki previu que durante a reunião marcada durante a Cúpula do G20 (grupo dos vinte países mais ricos do mundo), Obama e Dilma “falarão sobre como impulsionar a relação”, adiantou a porta-voz.

Abalos

As relações entre os dois países foram seriamente afetadas por causa das revelações do ex-analista da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) americano Edward Snowden, em 2013, que denunciou que Washington espionou as comunicações pessoais de Dilma, assim como de ministros e de empresas brasileiras.

Devido às denúncias de Snowden, negadas pelo governo dos EUA, Dilma suspendeu uma visita oficial que tinha previsto fazer a Washington em outubro do ano passado.

O primeiro contato de alto nível entre ambos governos após o escândalo da NSA aconteceu em junho, quando o vice-presidente dos EUA, Joe Biden, visitou o Brasil para ver um jogo do time americano na Copa do Mundo de Futebol e manteve uma reunião privada com Dilma em Brasília.

A reunião entre Obama e Dilma acontecerá dias depois que meios de comunicação indicaram que as autoridades americanas investigam se a Petrobras, seus empregados, intermediários e empresas contratadas violaram a Lei de Práticas Corruptas no exterior, que proíbe o suborno a funcionários estrangeiros para a obtenção de contratos.

Dilma disse nesta quarta que entende que as autoridades americanas investiguem a Petrobras, e assegurou que não abordará este assunto com Obama durante a reunião que ambos manterão na cidade australiana de Brisbane.

Clique e Curta Portal Meio Norte no Facebook

 

Fonte: Veja