Familiares chegam para execução de brasileiro e mais 8 condenados na Indonésia

Nove pessoas podem ser executadas a qualquer momento.

Os parentes dos prisioneiros que estão no corredor da morte na Indonésia estão no presídio onde as execuções podem acontecer a qualquer momento. Os familiares chegaram na manhã desta terça-feira (18) à cadeia de Nusakam-Bangan. Entre os condenados está o brasileiro Rodrigo Gularte e sua famílai também foi chamada ao complexo .

oito estrangeiros condenados à morte por tráfico na Indonésia


O prazo de 72 horas dado pela justiça indonésia após o anúncio para os prisioneiros de que eles serão executados terminou. Os nove condenados - oito deles estrangeiros - podem ser mortos por fuzilamento a partir desta terça.

O porta-voz da promotoria, Tony Spontana, disse que os preparativos para as execuções foram 100% completados, e que o pelotão de fuzilamento está a postos em Nusakambang desde sábado. Também segundo ele, Gularte e os outros oito condenados não têm mais possibilidades de recorrer das sentenças.

Porém, o governo da Indonésia informou que não irá anunciar oficialmente a data e horário das execuções. Entretanto, segundo o jornal "Jakarta Post", há especulações de que elas ocorrerão nas primeiras horas de quarta-feira (29), na hora local - tarde desta terça no horário de Brasília.

Segundo o “Jakarta Post”, as famílias foram orientadas a se despedir dos prisioneiros nesta terça, outra indicação de que a pena será executada nesta quarta.

Além disso, a mãe de um dos australianos no corredor da morte disse que a execução será às 17 GMT - 14h de Brasília.

Um repórter da AFP na ilha de Nusakambangan, onde estão os presos, disse que ambulâncias carregando caixões vazios já chegaram ao local.

Gularte, de 42 anos, foi notificado no sábado (25) que será executado por fuzilamento. Ele recebeu visita da prima, Angelita Muxfeldt, na prisão. O encontro foi “difícil”, no qual ele se negou a realizar os três últimos pedidos a que tem direito, disse o advogado Ricky Gunawan. “Ele rejeitou, rindo. E disse: ‘isso é alguma coisa como Aladdin? Não preciso disso’”, afirmou, que assumiu o caso em março.

O brasileiro foi diagnosticado com esquizofrenia por dois relatórios no ano passado. Em março, uma equipe médica reavaliou o brasileiro à pedido da Procuradoria Geral indonésia, mas o resultado deste laudo não foi divulgado.

Familiares e conhecidos relataram que Gularte passa seus dias na prisão conversando com paredes e ouvindo vozes. Dizem que ele se recusa a tirar um boné, que usa virado para trás, alegando ser sua proteção.

O brasileiro passou 11 anos em prisões da Indonésia. Ele foi preso em julho de 2004 após tentar entrar na Indonésia com 6kg de cocaína escondidos em pranchas de surfe, e foi condenado à morte em 2005.

Gularte poderá ser o segundo brasileiro a ser executado na Indonésia. Em janeiro, o carioca Marco Archer Cardoso Moreira foi fuzilado após ser condenado à morte por tráfico de drogas.

Outros condenados

Além do brasileiro Rodrigo Gularte, sete outros estrangeiros e um indonésio podem ser executados nas próximas horas na Indonésia. Todos foram condenados por tráfico de drogas e tiveram seus pedidos de clemência rejeitados. Dois australianos, quatro nigerianos e uma filipina estão na lista. Já o francês Serge Atlaoui teve sua execução adiada por recurso.

Os australianos Myuran Sukumaran e Andrew Chan são considerados integrantes de uma quadrilha de traficantes conhecida como “Os Nove de Bali”. Chan, de 31 anos, foi preso no aeroporto de Bali em abril de 2005, acusado de tentar contrabandear 8 kg de heroína. Sukuraman, um cidadão australiano nascido em Londres de 34 anos, é acusado de ser o líder dos Nove de Bali e foi condenado em 2006.

A ministra das Relações Exteriores da Austrália, Julie Bishop, afirmou ter recebido uma carta do chanceler indonésio na noite desta segunda avisando sobre a execução iminente dos dois traficantes, sem oferecer nenhuma esperança de indulto.

"Eles não deram nenhuma indicação de que o presidente (indonésio, Joko) Widodo mudaria de ideia e concederia a clemência que temos tentado", disse Bishop à Nine Network na terça-feira (horário local).

Bishop disse que não foi dada uma data ou hora para as execuções de Myuran Sukumaran e Andrew Chan. O governo australiano pediu à Indonésia para adiar as execuções até que as alegações de que o julgamento dos dois teria sido marcado por corrupção sejam investigadas. Uma apelação no Tribunal Constitucional também deve ser julgada até 12 de maio.

A única mulher do grupo tem 30 anos e foi presa no aeroporto de Jacarta em 2010 com 2.5 kg de heroína. Ela afirma que foi enganada por uma mulher que havia prometido um emprego como doméstica e escondeu drogas em sua bagagem. Seu mais recente pedido de revisão de julgamento foi rejeitado na segunda.

O nigeriano Martin Anderson, de 50 anos, foi inicialmente identificado como ganês porque usava um passaporte falso ao ser preso, em 2003, com cerca de 30 gramas de heroína. Acusado de ser integrante de uma quadrilha em Jacarta, foi sentenciado à morte em 2004.

Outro nigeriano do grupo é Okwudili Oyatanze, de 41 anos. Ele foi preso em 2001 quando tentava entrar no país, vindo do Paquistão, com 2.5 kg de heroína em cápsulas em seu estômago. Condenado à morte no ano seguinte, compôs mais de 70 músicas e gravou discos de música gospel dentro da prisão.

Sylvester Obiekwe Nwolise, de 47 anos, é outro nigeriano que foi preso ao tentar entrar no país com cápsulas de heroína em seu estômago, no caso pouco mais de 1 kg. Atraído ao Paquistão por uma promessa de emprego, diz que concordou em levar a droga por achar que se tratava de pó de chifre de cabra, contrabandeado apenas para evitar o pagamento de impostos. Ele foi preso e condenado em 2001.

O estrangeiro que há mais tempo aguarda execução é o nigeriano Jamiu Owolabi Abashin, de 50 anos. Sua versão é a de que um amigo, que o acolheu quando ele vivia nas ruas de Bangkok, na Tailândia, pediu para que ele levasse um pacote com roupas usadas para uma mulher que venderia as peças em Surabaya, na Indonésia. Abashin diz que só ao chegar ao aeroporto e ser preso, por usar um falso passaporte espanhol com o nome de Raheem Agbaje Salami, descobriu que carregava mais de 5 kg de heroína em sua bagagem. Ele foi condenado inicialmente à prisão perpétua, em 1999, e teve sua pena reduzida para 20 anos após uma apelação. Mas, em 2006, a Corte Suprema da Indonésia alterou novamente sua pena, condenando-o à morte.

Único não estrangeiro no grupo que deve ser executado esta semana, Zainal Abidin, de 50 anos, foi condenado depois que a polícia encontrou cerca de 60 kg de maconha em sua casa, em Palembang, em dezembro de 2000. Ele diz que a droga pertencia a dois amigos que estavam hospedados no local e que ele sequer sabia o conteúdo dos pacotes. Em 2001, ele foi condenado a 15 anos de prisão, mas no mesmo ano sua sentença foi convertida à pena de morte.


Fonte: G1