Filho de Madoff é encontrado enforcado em seu apartamento

Filho de Madoff é encontrado enforcado em seu apartamento

A morte ocorre exatamente dois anos depois de Bernard Madoff ter sido preso

Mark Madoff, filho do investidor condenado por fraudes milionárias Bernard Madoff, foi encontrado morto neste sábado em seu apartamento de Nova York, informaram fontes policiais.

O corpo, que estava preso em uma corda, foi encontrado em torno das 7h30 local (10h30 no horário de Brasília) pelo sogro de Mark Madoff, que chamou imediatamente a Polícia. Segundo as fontes, nenhuma mensagem foi encontrada perto do corpo.

A morte ocorre exatamente dois anos depois de Bernard Madoff ter sido preso, em 11 de dezembro de 2008, após confessar a fraude a sua família. Em comunicado distribuído à imprensa americana, um dos advogados de Mark Madoff e seu irmão Andrew indicaram que "Mark se matou neste sábado. É uma tragédia terrível e desnecessária".

"Mark foi uma vítima inocente do monstruoso crime de seu pai. Ele sucumbiu a dois anos de pressão incessante, calúnias e acusações falsas. Estamos muito tristes por este terrível acontecimento", acrescentou.

Mark e Andrew receberam esta semana um novo processo apresentado por Irving Picard, o fideicomisso nomeado pelos tribunais para recuperar os maiores fundos possíveis para as vítimas após a fraude de Bernard Madoff, avaliada em cerca de US$ 50 bilhões.

O financeiro desenhou um esquema "Ponzi" (estrutura piramidal fraudulenta de captação de fundos) para roubar seus clientes, aos quais prometia grande rentabilidade, custeada com o dinheiro que novos clientes investiam.

Mark e Andrew Madoff eram "brokers" na empresa de serviços financeiros do pai, mas em uma divisão diferente da que realizou a fraude e asseguraram, em diversas ocasiões, que desconheciam o crime em que seu pai estava envolvido.

Atualmente, Bernard Madoff cumpre uma pena de 150 anos de prisão em uma cadeia da Carolina do Norte (EUA). Em fevereiro, a esposa de Mark Madoff apresentou uma solicitação perante os tribunais para mudar de sobrenome, com o argumento de que sua família havia recebido ameaças.

Fonte: Época