Filipinas já pode se orgulhar de sua primeira deputada transexual

Filipinas têm a taxa mais alta de homicídios contra transexuais

"O gênero só se torna uma questão quando você tenta fazer disso um segredo. Eu sou feliz, então porque deveria ficar envergonhada?" Quem faz o questionamento foi Geraldine Roman, a primeira política transexual a ser eleita nas Filipinas. Ela vai atuar como deputada, representando Bataan, província ao norte de Manila. Ela conquistou 23.814 votos, cerca de 13 mil a mais do que seu principal oponente,

A vitória de Geraldine, que vem de uma tradicional família de políticos, representa um marco para a comunidade LGBT do país. Os dogmas conservadores da Igreja Católica são uma constante na sociedade filipina: divórcio, aborto e casamento entre pessoas do mesmo sexo são ilegais.

Mesmo tendo sido assediada e sofrido duras críticas durante a campanha, ela não se intimidou. "O fato que alguém na minha condição vai entrar no Congresso pela primeira vez é um atestado de que mesmo os transgêneros podem servir o nosso país e não devem ser discriminados", disse ela em entrevista à AFP.

Geraldine viveu na Espanha e trabalhou como editora em uma agência de notícias. Ela voltou para o país natal em 2012, para cuidar de suas pais e continuar o legado político da família.

Entre os projetos que já ganharam o apoio da deputada está o de uma lei anti-discriminação que vai estabelecer o tratamento igualitário para a comunidade LGBT no ambiente de trabalho, em hoteis e em escolas. Outra meta da política é de melhorar a infraestrutura e o atendimento nos hospitais de Bataan.

Embora seja considerado um país "amigável" com a comunidade LGBT, as Filipinas têm a taxa mais alta de homicídios contra transexuais no sudeste asiático.

Image title

Fonte: Com informações do Brasil Post