Grávida consegue nadar em meio a tufão e dá à luz após resgate

Grávida consegue nadar em meio a tufão e dá à luz após resgate

A menina nasceu de parto normal e com boa saúde, em um hospital de campanha montado em meio aos escombros do aeroporto da cidade

Em meio às notícias do aumento progressivo do número de mortos pela passagem do tufão Haiyan nas Filipinas, sobreviventes da tragédia comemoraram o nascimento de uma criança, batizada de Bea Joy, na cidade de Tacloban.

A mãe, Emily Ortega, 21, é uma das centenas de milhares de pessoas que ficaram desabrigadas pela tempestade, que atingiu o país na última sexta e pode ter causado mais de 10 mil mortes, segundo estimativas.

A menina nasceu de parto normal e com boa saúde, em um hospital de campanha montado em meio aos escombros do aeroporto da cidade. O nascimento foi motivo de aplausos de outros desabrigados e de soldados.

"Ela é o meu milagre. Eu pensei que morreria com ela dentro de mim quando as ondas chegaram", disse a mãe.

Emily vivia na cidade costeira de San José, em uma casa de madeira que foi totalmente destruída pela tempestade. Levada pela inundação, a mulher, grávida de nove meses, foi salva pelo marido, Jobert, que a encontrou flutuando em meio aos restos do desastre. O casal se refugiou em uma escola, onde estavam outros sobreviventes.

Lá ficaram por horas esperando resgate, bebendo apenas garrafas de água encontradas na enchente.

Quando a jovem entrou em trabalho de parto, na madrugada de ontem, o casal decidiu procurar ajuda.

Emily e o marido saíram do abrigo e caminharam quilômetros até encontrar uma carona que finalmente os levasse ao hospital improvisado em Tacloban, que também serve para concentrar equipes de resgate.

Segundo os médicos, a bolsa de Emily já havia se rompido quando ela chegou.

Mãe e criança estão bem, mas ainda há alto risco de infecções, devido à precariedade das condições de higiene no local. Os instrumentos utilizados no parto não puderam ser esterilizados.

O nome dado a nenê, Bea Joy, é uma homenagem à mãe de Emily, Beatriz, que desapareceu na inundação.

Fonte: Folha