Homem é preso por exibir tatuagem de Jesus em público

Juan Pablo Pino fazia passeio por shopping acompanhado de sua mulher


Homem é preso por exibir tatuagem de Jesus em público
O jogador de futebol colombiano Juan Pablo Pino, que joga na liga da Arábia Saudita, foi detido pela polícia do país por exibir em público tatuagens com motivos religiosos. O incidente ocorreu quando o atleta fazia um passeio por um shopping da capital da Arábia Saudita, Riad, acompanhado de sua mulher. Ele vestia uma camiseta sem mangas que deixava à mostra uma tatuagem de Jesus Cristo em um dos seus braços.

De acordo com a imprensa do país, a imagem provocou indignação de várias pessoas que estavam no local, que começaram a insultá-lo, atraindo a atenção da polícia moral, encarregada de garantir o cumprimento das leis que regem o reino saudita. Os agentes detiveram o jogador do clube Al Nasr até a chegada do delegado da corporação.

O clube não quis comentar o caso, mas chegou a publicar declarações do atleta, que manifestou sua "profunda tristeza" pelo que houve e afirmou respeitar as leis do país. O colombiano disse que até comprou uma roupa muçulmana para sua mulher "para que ela saia de maneira respeitosa" e possa se vestir com vestimentas típicas como a abaya, túnica negra que cobre desde a cabeça até os pés das mulheres.

O jogador também acusou os torcedores de equipes adversárias de explorar o episódio para prejudicar o Al Nasr. Segundo informações divulgadas por jornais locais, a esposa do jogador está preocupada com a situação e até pediu para que seu marido deixe a equipe e saia do país.

Essa não é a primeira vez que ocorre um problema parecido na Arábia Saudita. No ano passado, o jogador romeno Mirel Radoi, que jogava no Al Hilal, beijou a tatuagem de uma cruz em seu braço após marcar um gol, o que provocou uma reação de descontentamento popular.

O xeque Mohammed Nayimi, um dos clérigos mais respeitados do país, disse que as leis sauditas proíbem tatuagens, e que os jogadores têm que respeitar estas regras e escondê-las. Ele chegou a pedir que os contratos dos jogadores estrangeiros tenham uma cláusula que os obrigue a respeitar a lei islâmica (sharia). O reino da Arábia Saudita é um dos países mais conservadores do mundo muçulmano, no qual se aplica uma versão estrita e rigorosa do islã, o wahhabismo.

Fonte: G1