Imprensa chinesa ataca espionagem cibernética feita nos EUA: "maior vilão"

A imprensa oficial chinesa criticou nesta segunda-feira as autoridades americanas devido à suposta ciberespionagem sofrida nos últimos anos.

A imprensa oficial chinesa criticou nesta segunda-feira duramente as autoridades americanas devido à suposta ciberespionagem que o gigante asiático sofreu nos últimos anos, operações das quais no domingo o ex-técnico da CIA Edward Snowden revelou mais detalhes à imprensa de Hong Kong.

Um dia depois de o responsável por vazamentos de informações da inteligência dos EUA ter deixado a Região Administrativa Especial chinesa, a agência oficial Xinhuaqualificou os Estados Unidos como "o maior vilão do mundo da espionagem".

"As novas revelações - que fazem referência à espionagem da Universidade Tsinghua de Pequim ou das companhias telefônicas - junto com as anteriores são sinais claramente preocupantes", acrescentou a agência em um comentário.

"Tudo isto demonstra que os Estados Unidos, que durante muito tempo esteve tentando ser inocente e vítima dos ataques cibernéticos, acaba sendo o maior vilão de nossa época", segundo o comunicado.

A "Xinhua" acrescentou que, após os dados divulgados por Snowden, "a bola está agora no telhado de Washington" e que as autoridades americanas "devem uma explicação à China e a outros países aos quais supostamente espionou".

O jornal governista "Global Times", por sua vez, assegurou em um editorial que "todo mundo se beneficia das declarações de Snowden", já que, segundo sua opinião, "foi descoberta uma história de infração dos direitos civis que fez a autoridade moral dos EUA cambalear".

"Há algum tempo as acusações contra a China em segurança cibernética ganharam impulso, enquanto a realidade é que os EUA podem atacar a China quase que à vontade", diz o artigo, que acaba desejando "boa sorte" a Snowden e assegurando que "seu destino pessoal refletirá o jogo entre a hegemonia dos EUA e a busca mundial por equidade e justiça".

O independente "South China Morning Post", que entrevistou o ex-técnico da CIA, definiu em editorial a saída de Snowden como "o melhor resultado para nossa cidade e para a China".

O artigo também louvou "a calma e o silêncio" das autoridades de Hong Kong e de Pequim diante das revelações de Snowden e ressaltou que este caso "servirá para recuperar o debate necessário sobre o acesso dos Governos aos dados pessoais dos cidadãos".

Fonte: Terra