Índia busca o fim da tensão militar existente na fronteira com a China

A China sustenta que suas tropas não violaram a fronteira do país vizinho.

O primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, assegurou neste sábado que tem "um plano" para encerrar a tensão existente entre tropas indianas e chinesas na fronteira comum e que não deseja "acentuar" o problema, segundo informou a imprensa local.

"Temos um plano e não queremos acentuar a situação. Acreditamos que é possível resolver esse problema, já que é um problema localizado", afirmou o primeiro-ministro da Índia em entrevista coletiva, de acordo com a agência local PTI.

Essas declarações de Singh foram publicadas um dia depois de o secretário de Defesa indiano, Shashikant Sharma, reconhecer pela primeira vez, em uma nota dirigida ao Parlamento, que as tropas chinesas penetraram 19 quilômetros em seu território.

A Índia "desdobrou forças para manter uma estreita vigilância na fronteira", afirmou Sharma, depois que, em 15 de abril, 30 soldados chineses instalaram um acampamento no vale de Depsang, na região de Ladakh, no estado de Jammu e Caxemira.

A China negou as acusações e sustenta que suas tropas não violaram a fronteira do país vizinho, enquanto a Índia afirma que posicionou tropas a 500 metros do acampamento chinês.

O ministro das Relações Exteriores da Índia, Salman Khurshid, visitará a China no próximo dia 9, como já estava previsto, pouco antes da visita oficial à Índia do novo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, marcada para o fim desse mês.

Comandantes militares dos dois países se reuniram em duas ocasiões na fronteira comum de Ladakh para resolver a situação, mas não alcançaram um acordo, segundo informou o jornal "The Times of India".

Kursheed afirmou que essas situações ocorrem porque os dois países têm uma percepção diferente de sua fronteira comum, uma vez que não existe demarcação da Linha de Controle Atual (LCA), que separa os territórios das duas nações desde 1947.

A Índia e China compartilham quatro mil quilômetros de fronteira, ao longo da qual mantêm litígios territoriais. A China reivindica parte do estado indiano de Arunachal Pradesh, enquanto a Índia quer soberania sobre a zona de Aksai Chin, localizada na Caxemira.

Fonte: Terra