Índia sofre inundações que deixam pelo menos 160 mortos e 15 mil desalojados

Exército enviou ajuda médica para 3.000 pessoas de região afetada

Pelo menos 160 pessoas morreram e mais de 15 mil foram evacuadas na Caxemira nos últimos dias em função das piores inundações em meio século na região, que o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, qualificou neste domingo (7) de "desastre nacional".


O exército do país asiático enviou ajuda médica a 3.000 pessoas, alimentos para cerca de 3.500 e abrigo para aproximadamente dois mil nos estado de Jammu e Caxemira, segundo informou por meio de sua conta oficial no Twitter. As Forças Armadas da Índia desdobraram mais de 850 militares na região, pelo menos 26 helicópteros, ao redor de vinte aviões e dezenas de lanchas para colaborar com a polícia e o serviço de emergência nas operações de resgate.

Milhares de aldeias estão alagadas e o número de mortos é de pelo menos 160, segundo fontes oficiais citadas pela imprensa local. O primeiro-ministro visitou hoje as áreas afetadas e anunciou que o governo fornecerá uma ajuda adicional de 10 milhões de rúpias (R$ 380 mil) ao fundo estatal para catástrofes, que serão destinados para as zonas afetadas, segundo um comunicado do Executivo indiano. Modi afirmou que nesta noite serão enviados remédios para a região.

Além disso, o exército receberá amanhã 5.000 tendas de campanha, 100 cobertores e 50 toneladas de leite para crianças. O governo fornecerá também para as regiões atingidas, que há dias estão sem energia, cerca de 2.000 lâmpadas solares e técnicos para restabelecer as telecomunicações e reparar as pontes e estradas danificadas.

As inundações são frequentes no sudeste asiático durante a época de mais intensidade das chuvas de monção, entre julho e agosto, mas a força das tempestades dos últimos dias foi maior do que o normal nas zonas afetadas. Em junho de 2013, o estado de Uttarakhand, no norte da Índia, foi devastado por fortes precipitações que mataram 580 pessoas e deixaram 5.700 desaparecidos.

 

Clique e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: R7