Indonésia: tsunami mata ao menos 4o e 380 estão desaparecidos

Indonésia: tsunami mata ao menos 4o e 380 estão desaparecidos

Agência de notícias reporta que há 380 desaparecidos em região afetada

Ao menos 40 pessoas morreram e 380 estão desaparecidas após um tsunami que ocorreu depois de um terremoto de 7,7 graus na escala Richter e atingiu a região de Kepulauan Mentawai, próxima à ilha de Sumatra, na Indonésia, às 21h42 (12h42 em Brasília) desta segunda-feira (25), informaram a agência de notícias espanhola EFE e a rede de TV americana CNN.

A rede de TV anunciou que a maioria dos corpos resgatados é de mulheres e crianças. Segundo a agência de notícias indonésia Antara, o governo diz que o número de mortos deve aumentar nas próximas horas.

Inicialmente o terremoto foi calculado em 7,5 graus na escala Richter, mas o Instituto Geológico dos Estados Unidos recalculou a força do terremoto e também corrigiu a profundidade, divulgada como 33 km, mas reavaliada para 20,6 km.

O Serviço de Emergência da Indonésia informou, de acordo com a agência de notícias France Presse, que as ondas gigantes atingiram várias ilhas do país. O Jacarta Post publicou que centenas de casas foram arrasadas nos vilarejos de Pagai e Silabu, que ficam na cadeia de ilhas Mentawai.

O chefe da Equipe de Resposta a Desastres do Ministério da Saúde, Mudjiarto, disse que na ilha de Pagai do Sul, as ondas avançaram até 600 m sobre a terra, atingindo os telhados das casas, de acordo com a agência de notícias Reuters.

Um barco com entre oito e dez turistas australianos estaria desaparecido desde o terremoto, de acordo com comunicado emitido pelo Ministério das Relações Exteriores da Austrália.

Por e-mail, o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico informou que uma onda gigante "significativa" se formou após o tremor.

Em dezembro de 2004, um tsunami causado por um terremoto de mais de nove graus na escala Richter nos arredores da ilha de Sumatra matou mais de 225 mil pessoas. Padang foi uma das localidades então mais atingidas e seus moradores foram retirados de áreas costeiras por precaução.

Fonte: R7, www.r7.com