Inocente fica 21 anos preso e morre logo após receber liberdade

Ele foi acusado de um triplo assassinato brutal

Sharrif Wilson, 38 anos, sofreu um bocado. Em 1992, foi condenado por um triplo homicídio que sempre negou ter cometido. Ano passado ele foi finalmente libertado, mas o cheiro de liberdade não durou muito. Menos de um ano depois da saída da prisão, ele morreu por problemas respiratórios. Shariff morava no Harlem e em 1992 sua vida mudou completamente. Para pior!

Ele foi acusado de um triplo assassinato brutal. Uma mãe e duas filhas foram sufocadas por um fio elétrico e esfaqueadas logo depois.

Junto com Shariff, Antonio Yarbough, de 40 anos, também foi preso. Ele era filho e irmão das vítimas.  Shariff acabou confessando o crime e denunciou Yarbough para garantir uma punição mais leve.

 Mas em 2005 ele escreveu uma longa carta, se retratando e afirmando que havia sido coagido pela polícia.  Na mesma correspondência enviada a Justiça, ele se desculpou por implicar Yarbough nos assassinatos.

 Os dois suspeitos acabaram liberados em fevereiro do ano passado, após a promotoria concordar que faltavam provas para relacionar os dois ao crime.  Desde o final de dezembro, Shariff estava internado para tratar de uma crise respiratória.

O ex-prisioneiro sofria de Síndrome de angústia respiratória do adulto, condição de saúde que foi muito agravada por seus anos na prisão.  Segundo o advogado da vítima, Shariff "se tornou muito doente quando saiu da prisão", o que pode ter se agravado pelo fato dele ficar tanto tempo preso injustamente.

Fonte: Com informações do R7