Interpol começa a fazer a identificação de vítimas da queda do voo MH17;veja

Assim que as análises forem terminadas os corpos serão transportados para a Holanda, onde maiores identificações serão feitas.


Interpol começa a identificar vítimas da queda do voo MH17

Uma equipe da Interpol (polícia internacional) começou nesta terça-feira (22) a identificar as vítimas do voo MH17 da Malaysia Airlines que caiu no leste da Ucrânia na última quinta-feira (17).

?Os restos mortais das vítimas recuperados até agora foram etiquetados e numerados antes de serem transportados em vagões refrigerados de Donetsk para o centro de operações designado em Kharkiv, onde a equipe de resposta a incidentes da Interpol, junto com outras equipes de identificação de vítimas de desastres no local, fará os exames preliminares?, disse a agência em um comunicado.

Assim que as análises forem terminadas os corpos serão transportados para a Holanda, onde maiores identificações serão feitas. Mais cedo, o governo da Holanda afirmou que os primeiros restos mortais devem chegar ao país já nesta quarta-feira (23). O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, "decretou que quarta-feira, 23 de julho de 2014, será um dia de luto nacional", indicou em um comunicado o Departamento de Justiça, ressaltando que a aterrissagem dos aviões transportando os corpos seria marcada por um minuto de silêncio em todo o país.

O trem frigorífico com os corpos das vítimas chegou nesta terça (22) à cidade ucraniana de Kharkiv, depois de cruzar uma zona do leste do país controlada pelos separatistas pró-russos.

O Boeing 777, que cobria o trajeto entre Amsterdã e Kuala Lumpur, caiu na última quinta-feira no leste da Ucrânia depois de ser provavelmente derrubado por um míssil disparado, segundo os Estados Unidos, de uma zona controlada por rebeldes apoiados pela Rússia.

Segundo um chefe rebelde, 282 corpos das 298 pessoas que viajavam no avião malaio foram encontrados, assim como muitos restos mortais das outras 16 vítimas.

Os restos mortais serão transportados a Amsterdã em um avião militar Hercules C130 da Holanda, com seis membros de uma equipe malaia que os acompanhará também no trem, segundo declarou Najob Razak, premiê da Malásia. Um grupo de especialistas holandeses já havia examinado nesta segunda o trem com os corpos das vítimas.

Um representante da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) afirmou nesta terça que ainda há restos humanos no local de queda do avião, apesar de os esforços de recolhimento parecerem ter terminado.

"Nós observamos a presença de partes menores de corpos no local", disse um porta-voz da OSCE, Michael Bociurkiw, em entrevista à imprensa em Donetsk. "Nós não observamos nenhuma atividade de recolhimento (de corpos) no lugar."

Bociurkiw disse que seu grupo observou um saco plástico com alguns restos humanos deixados para trás, enquanto peritos da Malásia perceberam um cheiro forte indicando a provável presença de mais restos mortais em outro local.

Obama visita embaixada

Nesta terça, o presidente Barack Obama fez uma breve visita à embaixada da Holanda em Washington e lamentou o acidente do avião malaio abatido na Ucrânia.

"Todos estamos de coração partido", afirmou Obama, que também expressou sua "solidariedade" aos holandeses "em nome do povo americano", depois de assinar um livro de condolências às vítimas na entrada da embaixada.

"Trabalharemos com eles para nos assegurar de que as vítimas sejam encontradas e que haja justiça", garantiu o presidente.

Fonte: G1