Jornalista colombiana é agredida durante cobertura da morte de Chávez

Jornalista colombiana é agredida durante cobertura da morte de Chávez

A jornalista e sua equipe foram ameaçadas e tiveram de deixar o local

Uma jornalista da emissora de TV colombiana "RCN" foi agredida em Caracas, na noite desta terça-feira (5), enquanto fazia a cobertura da morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. A informação é da própria emissora.

De acordo com o canal, a correspondente da TV no país, Carmen Andrea Rengifo, fazia reportagens nas proximidades do Hospital Militar de Caracas, onde Chávez estava internado, quando foi atacada. A jornalista e sua equipe foram ameaçadas e tiveram de deixar o local. Segundo a emissora, os agressores são apoiadores do governo chavista.

Segundo a revista colombiana "Semana", Carmen Andrea Rengifo e Chávez tiveram uma discussão em agosto do ano passado depois da explosão de uma refinaria no Estado de Falcon.

Na época, a jornalista disse ao presidente que moradores da região afirmaram ter sentido um forte cheiro de gás dias antes da explosão. Hugo Chávez questionou a repórter, afirmando que a informação era "pouco ética". A explosão causou a morte de cerca de 40 pessoas e a destruição de mais de 1.200 casas.

Morte de Hugo Chávez

Ferrenho crítico do neoliberalismo e do governo dos Estados Unidos, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, morreu aos 58 anos nesta terça-feira (5), vítima de um câncer na região pélvica, com o qual convivia há um ano e meio.

Desde que sua enfermidade foi diagnosticada, em junho de 2011, Chávez passava longos períodos em Cuba, onde tratava a doença.

O anúncio oficial da morte de Chávez foi feito por volta das 17h25 no horário local (18h55 no horário de Brasília) desta terça-feira (5) pelo vice-presidente venezuelano Nicolás Maduro. No mesmo pronunciamento, Maduro confirmou que Chávez morreu às 16h25 (17h55h no horário de Brasília).

Fonte: UOL