Jornalista de TV inglesa decide casar depois de receber uma sentença de morte

Jornalista de TV inglesa decide casar depois de receber uma sentença de morte

A jornalista marcou seu casamento para 2012 mesmo sabendo que pode morrer antes disso.

A jornalista inglesa Eleanor Jeffrey descobriu um câncer de mama no ano passado. A doença se espalhou para outros órgãos, enquanto ela vivia o auge da paixão com seu então namorado, um produtor de TV. Mesmo com a perspectiva de ela não viver até a próxima virada de ano, ele decidiu pedi-la em casamento. Leia aqui o depoimento que ela deu ao jornal inglês Daily Mail.



?Navegando em um site de produtos para casamento há algumas semanas, eu estava prestes a clicar em "Comprar" em alguns cartões de ?reserve a data?, quando os meus dedos hesitaram sobre o teclado. Meus olhos se encheram de lágrimas, enquanto eu olhava para o meu computador e mil pensamentos acelerados passaram pela minha cabeça. Meu noivo Tom e eu reservamos um castelo no interior da Inglaterra para o nosso casamento. Escolhi um vestido vintage para andar pelo corredor. Mas quando chegou a um clique de distância de confirmar minha data de casamento, em junho de 2012, tive um momento de hesitação, porque, de acordo com meus médicos, eu poderia não viver para ver isso.

No início deste ano, eles disseram que o câncer que venho lutando contra há 18 meses é terminal. Tenho 28 anos e, segundo especialistas médicos, eu não vou viver para ver o ano novo, e muito menos para o próximo verão.

Foi na primavera do ano passado que senti pela primeira vez uma coisa esquisita no meu peito esquerdo, quando tomava banho de manhã. Fui a um pronto-socorro perto de casa e eles me disseram que era "apenas uma coisa hormonal?. Desconfiei do diagnóstico. Três semanas depois, fui a um ginecologista e fiz uma biópsia e uma ultra-sonografia. Descobri meu câncer de mama naquele mesmo dia.

Evidentemente, foi um choque terrível e eu caí em lágrimas. Eu não esperava esse diagnóstico. Tom, meu noivo, estava pálido e em choque também. Estávamos juntos há apenas um ano. Ele é um produtor de TV e nos conhecemos em um site de namoro quando eu tinha 26 e ele 32 anos. Ele era inteligente, gentil e engraçado, mas tinha sido um relacionamento e demoramos a começar a namorar de fato. Gostamos um do outro, mas havia tanta coisa acontecendo em nossas vidas naquela época, que não conseguíamos ficar muito tempo juntos. Ele nem sequer tinha dito "eu te amo" ainda.

Mas naquele dia, como fomos levados para uma sala privada para absorver o choque, ele disse essas palavras e nunca vou esquecê-las. Foi um momento que cimentou nosso relacionamento e nos preparou para o futuro. Durante os oito meses seguintes, fui submetida a uma mastectomia, seis ciclos de quimioterapia e, finalmente, sessões diárias de radioterapia.

É claro, foi traumático e perturbador, mas quando tudo acabou eu senti que eu tinha feito a minha parte para me curar do câncer e voltar a ter uma vida normal, como jornalista de TV e o mais importante de tudo: planejar meu futuro com Tom.

Mas em janeiro, comecei a sentir uma dor na lombar. Mas ela só aparecia quando eu fazia exercícios físicos, então não achei que fosse nada sério. Como eu tinha ficado cinco meses praticamente deitada e depois comecei a correr, achei que simplesmente tinha exagerado.

Comentei sobre essa dor com meu oncologista, que ordenou uma varredura do osso e encontrou uma área de cerca de preocupação na minha pélvis. Ela pediu uma radiografia e, para nosso alívio, os médicos disseram que não havia sinal de câncer.

Mas a dor piorou. No início de maio, depois de eu insistir para fazer uma ressonância magnética, os resultados chegaram uma médica me chamou de novo: "O exame mostra que há câncer na pélvis", disse ela.

Mantive a calma. Eu sabia que a propagação do câncer de mama até o osso não era uma sentença de morte imediata: tinha lido sobre mulheres que vivem há 20 anos com este tipo de doença. Olhei para Tom, que estava pálido de novo. Ele perguntou: "Qual é o prognóstico de Ellie? "

"ATRASAR O INEVITÁVEL"

Eu nem estava pensando em quanto tempo eu havia ainda tinha, até que ela respondeu: "Não gosto de dar prazos".

"Bem? Seis meses? Três meses?" Perguntei, achando que esse período era uma estimativa conservadora e que ela responderia ?mais de cinco anos?. Em vez disso, ela disse:

"Mais de três meses."

Me senti estranhamente calma e estóica. Queria saber quais os passos que poderíamos tomar em seguida. A médica disse que a quimioterapia poderia atrasar o inevitável, mas me faria mais doente. Ela praticamente me sugeriu desistir do tratamento. Senti uma enorme dormência pelo corpo.

Tom e eu decidimos passar um fim de semana na praia para organizar nossos pensamentos. Mas ele não conseguia comer e eu não conseguia dormir. Caminhando pela areia, eu fiz ele prometer que seria capaz de viver sem mim. Eu me sentia como uma decepção para ele. O câncer queria roubar nosso futuro. O futuro ao lado de um homem que eu amava tanto. Não suportava a ideia de que não poderia dar a ele tudo o que ele sonhava.

Comecei a considerar a hipótese de que terminar o namoro para que ele pudesse ser livre o quanto antes. Mas eu sabia que ele não me deixaria por conta disso. Sempre que eu dizia que ele não merecia passar por tudo aquilo, ele respondia: ?Mais importante, nem você?.

Tivemos de arrumar forças não sei de onde. Trocamos de oncologista que renunciou ao seu pagamento e me aconselhou a começar a quimioterapia. Ele também nos informou de vários casos em que a quimioterapia não funcionou.

Fiquei contente com essa segunda opinião, mas o exame seguinte mostrou que o câncer tinha se espalhado para o fígado e os pulmões. Em junho deste ano, comecei a tomar um medicamento de quimioterapia oral chamado capecitabina, que tolerava bem. Tive poucos efeitos colaterais, e estava particularmente aliviada porque a medicação não me faria perder os cabelos.

Depois de nove semanas, fiz outro exame e a notícia foi boa. Eu estava respondendo à quimioterapia e os tumores foram encolhendo.

Tom e eu fomos para a Grécia durante uma semana em agosto. Eu estava ansiosa para nadar no mar e me deitar ao sol. Sem consultas no hospital, sem e-mails, apenas nós dois e praias arenosas. Nos hospedamos em uma casa de campo incrível. A vista para o mar azul turquesa era de tirar o fôlego. Em nossa segunda noite, Tom e eu voltamos para a casa depois do jantar e Tom sugeriu irmos para a piscina para ver o céu estrelado.

As luzes da piscina não estavam funcionando e estava escuro como breu. Olhei para as estrelas, brilhando no céu de tinta preta. Em olhei para trás para encontrar Tom. Ele estava de joelhos, com um enorme anel com um papagaio no lugar da pedra ? o que ele explicou mais tarde, era uma piada e eu poderia trocar pelo anel que quisesse.

Eu ri. Disse que sim, me casaria com ele. Não conseguia parar de chorar de felicidade.

Foi mais um sinal de que iríamos enfrentar o futuro juntos. Telefonamos e mandamos mensagens de texto para nossos amigos e parentes, contando as novidades na volta para casa. Pela primeira vez em meses, tínhamos uma boa notícia para compartilhar - nos amávamos e estávamos casando.

De volta a Londres, compramos um lindo anel de ouro branco e diamante.

Na minha situação, acho que a maioria das pessoas teria corrido para um cartório para casar. Mas Tom e eu queríamos planejar o nosso casamento para junho de 2012. Foi um ato ousado - queríamos e precisávamos de um objetivo para olhar para frente.

Um outro oncologista me disse que conheceu um paciente que viveu muitos anos sob o mesmo tratamento de quimioterapia que estou fazendo. Também falou que se esse parar de funcionar, posso tentar outras quimios, e que também há estudos em andamento sobre novas drogas.

Também sei que há a possibilidade de viver apenas mais alguns meses. Mas uma possibilidade não é uma certeza.

Uma vez que o câncer de mama é secundário, é incurável - mas isso não quer dizer que eu não posso viver com a doença para os próximos anos. Eu rezo para viver e ver o dia quando o câncer em que o câncer será como a diabetes, uma doença crônica que pode ser gerenciada e não é necessariamente fatal.

Planejar o casamento tem sido uma distração bonita ? visitar os locais, escolher as flores, fazer a lista de convidados. Agora amigos estão perguntando: "Você já encontrou um vestido? "Em vez de:" Quando é o seu próximo exame" É claro, a preocupação com a velocidade de que o câncer vai se espalhar e a vida do Tom vai ser cruelmente interrompida é constante.

Eu também penso nas coisas que poderia perder. Ontem à noite, estávamos nos beijando. Segurei o rosto dele em minhas mãos e me perdi durante o momento. De repente, eu estava me perguntando quantos beijos ainda que nos restam.

Temo por Tom. Como ele vai ficar se eu morrer? Eu não posso ser positiva o tempo todo, e às vezes digo: "Preciso que você me diga que vai ficar tudo bem", mas logo depois percebo que é uma coisa ridícula de pedir para ele.

Meu pensamento mais angustiante é de que Tom pode ter que voltar para um apartamento vazio e ter de limpar meu lado do armário. Implorei a minha mãe para fazer isso e poupá-lo desse sofrimento.

Não podemos estar atolados em pensamentos sombrios, no entanto. É importante ter mais de olhar para frente após o casamento, por isso estamos esperando para ir para a África em lua de mel, em seguida, mudar para uma casa maior quando voltarmos.

Tenho pensado em escrever ?cartas finais? para Tom, para a família e aos amigos, dizendo-lhes o quanto eu os amo, mas no momento não estou preparada. Quando eu começar a perder peso drasticamente e realmente parecer doente, sei que será a hora de escrever essas cartas.

O resultado do meu último exame, em setembro, mostrou que o maior tumor em meu fígado tinha encolhido por mais de 50 por cento, por isso espero que Tom e eu tenhamos mais tempo juntos do que pensávamos.

Vamos nos casar, e teremos um futuro feliz juntos. Qualquer outra alternativa é insuportável de se pensar.?

Fonte: Marie Clarie