Jovem servia como atiradora para forças de Kadafi e matou 11

A jovem argumenta que cometeu os assassinados sob grande pressão

TRÍPOLI - Quem vê a foto de Nisreen Mansour al Forgani, uma jovem líbia de 19 anos, não acredita no potencial de seu sangue frio. Deitada em uma cama no hospital militar Matiga, em Trípoli, neste domingo, ela admitiu a um repórter do "Daily Mail" ter assassinado 11 prisioneiros rebeldes.



- Meu superiores me mandavam um prisioneiro e eu o executava. Quando o próximo chegava, ele olhava chocado para o corpo do companheiro no chão. Então, eu o matava. E vinha o próximo... Atirava a uma distância de menos de um metro das vítimas. Alguns colegas disseram que se eu não fizesse aquilo, eles iriam me matar - conta Nisreen.

A jovem argumenta que cometeu os assassinados sob grande pressão. Segundo ela, enquanto servia às forças de Kadafi, foi estuprada por alguns de seus superiores. Um deles é o oficial-chefe da guarda pessoal de Muamar Kadafi. Ano passado, a menina deixou a escola para cuidar da mãe que sofre de câncer, quando as forças do ditador a obrigaram a fazer parte do recrutamento.

Nisreen é uma das centenas prisioneiras dos rebeldes líbios e agora teme por sua vida. Bonita e jovem, a menina tem o perfil de um novo grupo de soldados que foi montado por Kadafi: cerca de mil mulheres por toda a Líbia faziam parte de um esquadrão de moças atraentes treinadas para serem atiradoras.

- A líder do grupo ordenou que se a minha mãe falasse algo de mal sobre Kadafi, eu deveria imediatamente matá-la. E se eu dissesse alguma coisa sobre ele que minha superior não gostasse, eu era espancada e trancada no meu quarto - diz Nisreen.

Segundo a jovem, os estupros que ela e suas companheiras sofriam de homens de hierarquias superiores eram considerados prêmios, em meio ao caos da guerra. Cada vez que um oficial de alto escalão chegava ao quartel das mulheres, uma delas era "cedida a ele". A líder do grupo feminino ameaçava: "se os rebeldes chegarem aqui, eles é que irão estuprar vocês".

Fonte: Globo