Juiz questiona pedido de divórcio do "homem grávido", relata site

Juiz questiona pedido de divórcio do "homem grávido", relata site

Thomas Beatie nasceu mulher e engravidou, mas diz que mulher batia nele.


Juiz questiona pedido de divórcio do

Thomas Beatie, o transsexual conhecido como "homem grávido", anunciou a separação da mulher em abril deste ano, mas um juiz questiona agora se o casamento foi legal desde o começo, relata o "TMZ".

Quando se casaram, em 2003, Thomas e Nancy se apresentaram como heterossexuais porque ele nasceu mulher, mas trocou de sexo antes do matrimônio. Eles tiveram três filhos.

O juiz, do estado do Arizona, acredita que, como Thomas e sua mulher têm órgãos genitais femininos, o casamento é homossexual, o que é proibido no estado. Assim, o juiz interpreta que o matrimônio não pode ser encerrado porque nunca foi legal.

Thomas argumenta que seus documentos pessoais, como passaporte, o identificam como homem.

"Homem grávido"

Thomas mudou de sexo aos 24 anos e é legalmente homem, mas mantém os órgãos sexuais femininos. Quando era mulher, se chamava Tracy Lagondino. Ele ficou conhecido como "homem grávido" em 2003, quando ficou grávido e se casou.

Thomas anunciou a separação em abril deste ano, afirmando que a mulher batia em suas partes íntimas. Ele diz que a ex é alcoólatra e "violenta" e que ele foi atacado fisicamente em diversas ocasiões. Segundo o "TMZ", Nancy teria negado as acusações e dito que Thomas abusava dela física e emocionalmente.

Em maio, ele ganhou a custódia dos três filhos após um vídeo de uma suposta agressão de sua mulher ser divulgado (veja no "TMZ").

Filhos

Sua ex-mulher Nancy fez uma histerectomia e não pode ser mãe. O primeiro filho foi concebido por inseminação artificial, com esperma de um doador. Depois, ele teve outros dois filhos, Jensen e Austin Beatie.

Em abril de 2008, em entrevista à apresentadora Oprah Winfrey, Thomas disse que, para ele, "a necessidade de ter um filho não é um sentimento masculino ou feminino, mas humano". "Sou uma pessoa e tenho direito de ter um filho biológico", disse ele na época.

Fonte: G1