Maconha legal do governo José Mujica, do Uruguai, custará US$ 1 o grama, diz secretario

Maconha legal do governo José Mujica, do Uruguai, custará US$ 1 o grama, diz secretario

Calzada lembrou que os usuários deverão registrar-se em um banco de dados não aberto ao público

A maconha legalizada no Uruguai vai custar US$ 1 o grama, anunciou o secretário feral da Junta Nacional de Drogas do Uruguai, Julio Calzada. O projeto de lei aprovado pela Câmara de Representantes legaliza a produção para consumo próprio ou em cooperativas. "Seguramente o autocultivo e os clubes podem começar a desenvolver-se já no segundo semestre de 2014", afirmou o secretário ao jornal uruguaio El País.

Calzada lembrou que os usuários deverão registrar-se em um banco de dados não aberto ao público, para poder comprar até 40 gramas por mês. "Um grama equivale a um cigarro grosso ou três finos", explicou o secretário.

Competição. O preço será fixado de tal maneira que "se possa competir" com os narcotraficantes, acrescentou Calzada.

"O custo da maconha terá que se situar na faixa que se consegue a droga ilegal, e estamos falando do preço da maconha prensada paraguaia, que é a mais comum vendida no país, e que custa em torno de um dólar a grama", explicou.

"Queremos arrebatar o mercado do narcotráfico", disse dias atrás o presidente uruguaio José Mujica, durante seu discurso na Assembleia General das Nações Unidas.

Qualidade. Comentando o discurso do presidente, o secretário afirmou que o Estado "vai oferecer um lugar seguro para se comprar maconha, e um produto de boa qualidade e pelo mesmo preço".

Ele garantiu que o governo já está começando a trabalhar para implementar a nova lei. O texto do projeto de lei foi aprovado dia 31 de julho pela Câmara dos Representantes, por 50 votos a favor, 46 contra e três ausências.

Como no caso do tabaco, no Uruguai também não será permitido fumar maconha em espaço públicos fechados. Também não será permitido conduzir qualquer tipo de veículo sob efeito da droga. Também será proibido fazer publicidade de maconha, apesar da legalização do comércio e plantio.

Fonte: msn