Manifestação pró-União Europeia vira confronto na capital da Ucrânia

Ministro do Interior disse que polícia iria "responder" se houver distúrbios. Na véspera, houve confrontos na Praça da Independência.

Dezenas de milhares de ucranianos que foram às ruas neste domingo (1º) na capital, Kiev, entraram em confronto com a polícia, segundo testemunhas.

Os manifestantes tentaram romper barreiras próximo ao palácio presidencial, mas a polícia reagiu com gás lacrimogêneo.

Testemunhas afirmaram que o prédio da prefeitura de Kiev foi ocupado.

Vitaly Klitschko, líder da oposição ucraniana, pediu que o presidente renuncie.

Os manifestantes fazem um ato a favor da entrada do país na União Europeia, apesar de as autoridades terem proibido o protesto.

O ministro do interior do país disse que a polícia iria "responder" caso houvesse distúrbios.

No sábado, houve confrontos na Praça da Independência, e a polícia reprimiu violentamente os manifestantes, deixando feridos e detidos.


Manifestação pró-União Europeia vira confronto na capital da Ucrânia

A oposição pró-europeia exigiu a realização de eleições presidenciais e legislativas antecipadas e a demissão do presidente Viktor Yanukovich.

"Como iguais"

Yanukovich disse neste domingo que fará todo o possível para acelerar o processo de aproximação de seu país da União Europeia, mas ressaltou que a colaboração com o bloco deve ser feita como "parceiros igualitários".

"Farei tudo o que dependa de mim para acelerar o processo de aproximação da Ucrânia com a União Europeia, sem permitir para isso grandes perdas para nossa economia nem a piora das condições de vida de nossos cidadãos" disse Yanukovich, em mensagem à nação pela comemoração do aniversário do referendo de independência da Ucrânia da União Soviética.

Yanukovitch também condenou o uso da força contra manifestantes da oposição, afirmando estar "profundamente indignado com os acontecimentos durante a noite na Praça da Independência".

Fonte: G1