'Meu pai me entregou aos radicais do Boko Haram', diz nigeriana de 13 anos

Jovem disse que teve vestir colete com bombas em atentado suicida. Grupo radical islâmico sequestrou centenas de meninas na Nigéria.

 Uma menina de 13 anos disse que seu pai a entregou a extremista do grupo radical Boko Haram. Zahra'u Babangida comentou ainda que foi presa depois de se recusar a explodir uma bomba suicida em Kano, a segunda maior cidade da Nigéria.

A Nigéria sofreu vários atentados suicidas nos últimos meses realizadas por meninas e mulheres adolescentes. Isso levanta o medo de que os radicais estão usando meninas sequestradas para cometer atos de terrorismo.

Clique e curta a página do Portal Meio Norte no facebook.


O grupo Boko Haram chamou a atenção da comunidade internacional quando sequestrou 276 alunas de uma escola em Chibok, em abril. Várias fugiram, mas 219 continuam desaparecidas. Milhares de pessoas foram mortas e 1,6 milhão foram expulsas de sua casa. O Boko Haram quer criar um Estado Islâmico na Nigéria, país dividido entre os muçulmanos do norte e cristãos do sul.

A menina disse nesta quarta-feira (24) que viu muitas pessoas serem enterradas vivas em uma acampamento do Boko Haram, onde o pai a levou no estado de Bauchi, a leste de Kano.

 Ela disse que os radicais perguntaram se ela queria ir para o paraíso e a colocaram para ser uma menina-bomba.

"Quando me disseram que eu teria que morrer para entrar no paraíso, que eu teria que explodir uma bomba e morrer, eu disse que eu não poderia fazer isso", disse ela.

A adolescente disse então que teve de deixar os homens colocarem um colete cheio de explosivos. "Tinha medo de ser enterrada viva", justificou.


Duas outras meninas detonaram suas bombas em um mercado têxtil em Kano no último dia 10. A polícia disse que o ataque matou quatro pessoas e feriu outras sete, incluindo a garota.

Depois da explosão, a jovem foi levada a um hospital por um motorista de táxi. Ela deixou o colete com as bombas no carro, e o motorista alertou a polícia. A menina foi presa no hospital. Ela está sob custódia da polícia. O pai dela ainda não foi localizado. A menina disse que ele é integrante do Boko Haram.

Fonte: G1