Mulheres se recusam a trabalhar após decisão de proibição do aborto

Com nova lei, mesmo em caso de estupro é proibido abortar.

Milhões de mulheres se uniram ontem, 3, para realizar uma greve geral na Polônia contra o projeto de lei que visa proibir definitivamente o aborto no país. As mulheres saíram às ruas vestidas de preto em mais de 60 cidades polonesas como uma forma de representar o luto pela perda de seus direitos reprodutivos, em um protesto que ficou conhecido como Black Monday (“Segunda-Feira Negra”, em inglês).

Embora o aborto não seja liberado na Polônia, o procedimento ainda é permitido quando a gravidez é decorrente de um estupro ou incesto, quando há risco para a vida da mulher ou em casos de risco de danos irreversíveis para o feto. Com a nova legislação, no entanto, apenas gestações que representem um risco para a mãe poderão ser interrompidas.

A lei prevê ainda que todos os tipos de aborto que não se enquadrem nessa especificação se tornem crime, com pena de até cinco anos para as mulheres que decidirem interromper a gravidez. Além destas, os médicos responsáveis pelos procedimentos também poderão ser processados e detidos por três anos.

O projeto foi submetido ao Parlamento polonês após ser assinado por mais de 100 mil apoiadores no país, embora pesquisas recentes apontem para um apoio de apenas 11% da população. Segundo os críticos, a mudança poderá fazer ainda com que mulheres que tenham sofrido um aborto natural sejam investigadas para averiguar se não teriam provocado o aborto.

Em oposição à lei, as mulheres contrárias ao projeto decidiram não trabalhar e não ir à escola nesta segunda-feira. Segundo a BBC, o protesto foi inspirado por uma greve semelhante realizada na Islândia em 1975, quando as mulheres pararam de trabalhar por um dia pela igualdade de gêneros.

Image title

Image title

Image title

Image title

Fonte: Hypeness