Na hora H, virgem tentou me vender o hímen por R$ 100 mil, revela dono de clube privê

Na hora H, virgem tentou me vender o hímen por R$ 100 mil, revela dono de clube privê

"A gente trocou beijinhos, mas, na hora H, ela insistiu em vender a virgindade por R$ 100 mil", diz Maroni.

O autodenominado "Rei da Noite" paulistana, Oscar Maroni, dono do mítico clube privê Bahamas, onde circulavam 150 das mais lindas garotas de programa de São Paulo, "2.000 relações sexuais no currículo", vangloria-se: "Há dois anos, Ingrid [Migliorini, a virgem Catarina] ofereceu-se para mim por R$ 100 mil."

Segundo Maroni, a jovem procurou-o no Bahamas, já então fechado pela Prefeitura de São Paulo sob a acusação de ser um prostíbulo de luxo. Um segurança forneceu a ela o número de celular do empresário (que não por acaso termina com a sequência 6969), e o contato foi feito.

Maroni conta que aproveitou um fim de semana e deslocou-se para o aeroporto de Navegantes, que serve o litoral norte de Santa Catarina.

"Pode perguntar para ela. Ela lembra do meu nome. Passamos um final de semana juntos", diz o empresário.

Ontem, quando foi batido o martelo no leilão internacional pela virgindade de Ingrid (aliás, vencido por um japonês que se identifica apenas por "Natsu", lance de US$ 780 mil ou R$ 1,58 milhão), a dona do hímen, que se encontra na Austrália, estava gravando uma entrevista para um canal de televisão alemão e não quis prolongar a conversa. Mas afirmou que, sim, conhece Maroni. E não quis comentar mais nada.

Maroni diz que ele e Ingrid foram a um hotel cinco estrelas em Balneário Camboriú (a 82,6 km de Florianópolis), cidade vizinha da Itapema em que ela mora.

Comeu com ela no restaurante Chaplin, de frente para o mar. "Foi um jantar romântico. Andamos de mãos dadas na praia e só então subimos para o quarto."

"A gente trocou beijinhos, mas, na hora H, ela insistiu em vender a virgindade por R$ 100 mil", diz Maroni.

O negócio não prosperou porque, segundo o empresário, que proclama sua formação de psicólogo, "esse negócio de virgindade é do tempo do meu bisavô, coisa de macho inseguro que precisa garantir a procedência da prole. Estou fora."


Na hora H, virgem tentou me vender o hímen por R$ 100 mil, revela dono de clube privê

Na hora H, virgem tentou me vender o hímen por R$ 100 mil, revela dono de clube privê

Na hora H, virgem tentou me vender o hímen por R$ 100 mil, revela dono de clube privê

Ele dormiu na cama de casal; ela, no sofá ("de pijaminha"). Mas a melhor surpresa, segundo Maroni, ficou para o dia seguinte.

"Havia um piano de cauda no restaurante do hotel. E ela foi lá e tocou Bach e Beethoven lindamente. Vestia um shortinho jeans e uma blusa leve, sem sutiã. Fiquei apaixonado", afirmou. Mas nunca mais a viu.

No total, o leilão da virgindade de Ingrid teve apenas 15 lances (desde o dia 7 de outubro). O país que mais levantou o dedo, candidatando-se, foi o Brasil, com nove lances. Todos mixurucas. Teve até o gaiato identificado como "Lucas Zaiden", oferecendo US$ 1 pela primeira noite da menina. Vai que cola.

O brasileiro mais "agressivo" no leilão identificou-se como "Benga JP" --fino!-- e deu um lance de US$ 150 mil (R$ 303,9 mil). Provavelmente nem existe.

Vizinhos do edifício Alice e Augusto, onde Ingrid vive com a mãe e o irmão, em um apartamento debruçado na praia, acham toda essa história muito esquisita.

"Por que alguém pagaria R$ 1,5 milhão por uma hora com uma virgem brasileira cheia de não-me-toques (não pode beijar, não pode usar apetrechos de sex shop, não pode passar de uma hora, tem de usar preservativos, tem de pagar adiantado, o comprador corre o risco de ter sua identidade exposta etc. etc.), quando o mercado do sexo tem tanta oferta boa e a preços muito mais competitivos?", pergunta um empresário santista do ramo de segurança, que não quis se identificar.

Maroni, que neste caso se diz romântico, afirma que Ingrid é "introspectiva". Os vizinhos e frequentadores do calçadão do bairro Meia Praia, o mais rico de Itapema, dizem que ela é "esquisita".

A menina nunca é vista com garotos de sua idade, nunca ninguém a visita. Sua única companhia é o irmão caçula, Philip, 17, com quem sempre joga vôlei na praia.

Alegadamente, Ingrid usará o dinheiro obtido no leilão para tocar adiante um projeto pessoal de construção de moradias populares; a zeladora do prédio onde ela vive, porém, diz que o sonho da menina é cursar medicina na Argentina --o dinheiro serviria para custear os estudos.

Agora, é ver se o tal "Natsu" existe realmente -e se paga. O produtor do leilão, Justin Sisley, disse ontem que, sim, o ganhador japonês "existe e tem cerca de 50 anos". E que irá a Sydney para consumar o ato.

Quanto ao colega de leilão de Ingrid, o russo Alexander Stepanov, 21, sua vingindade foi arrematada por meros US$ 3.000 (ou R$ 6.078), por "Nene B.", do Brasil. Até a finalização do leilão, segundo Justin Sisley, não se sabia se era homem ou mulher.

Agora, revelou-se: trata-se de homem e, por causa disso, acredita Sisley, Alex não deve finalizar o negócio.

A primeira vez de Ingrid, conta-se, acontecerá a bordo de um avião, entre a Austrália e os Estados Unidos. Maroni deseja à jovem "muitos e felizes orgasmos".

Fonte: Folha.com