Norueguesa que denunciou estupro é condenada à 16 meses de reclusão

Um tribunal de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, condenou à prisão uma norueguesa de 24 anos que afirmou ter sido estuprada no país.

Um tribunal de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, condenou à prisão uma norueguesa de 24 anos que afirmou ter sido estuprada no país. A jovem foi condenada a 16 meses de reclusão por ingerir bebida alcoólica, fazer sexo fora do casamento e atentar contra a decência.

Marte Deborah Dalelv fez a denúncia por estupro em março, quando estava em viagem de negócios pelo país. Longe de conseguir o tratamento que queria da polícia, a vítima passou vários dias em uma cela, até que finalmente entrou em contato por telefone com seus parentes e o consulado norueguês.

Diante do caso, Oslo anunciou nesta sexta-feira (19) que vai apoiar a jovem judicialmente. "A sentença em Dubai a uma norueguesa que denunciou um estupro é contrária a nosso sentido da justiça. Daremos a ela apoio no processo de apelação", manifestou o ministro das Relações Exteriores norueguês, Espen Barth Eide, em sua conta do Twitter.

O caso mostra "a posição legal da mulher em muitos países", acrescentou, ao expressar o compromisso do governo norueguês com os direitos da mulher, especialmente nesse caso.

A imprensa norueguesa vem repercutindo com assombro a história da jovem. Graças ao empenho do consulado, a norueguesa conseguiu ser libertada, à espera de julgamento, e passou um período em uma instituição religiosa, informa a imprensa norueguesa.(Com EFE)



Fonte: UOL