Número de mortos pelo furacão Sandy beira os 100 nos EUA

Trabalhos de resgate continuavam em meio a escassez de combustível. Blecautes continuam, e moradores de Staten Island veem "abandono"

O número de mortos pela passagem da supertempestade Sandy pela Costa Leste dos EUA já passa de 98, e equipes de resgate seguiam trabalhando em regiões alagadas de Nova York e da costa de Nova Jersey nesta sexta-feira (2).

Em Nova York, 40 pessoas foram encontradas mortas, metade delas em Staten Island, que foi invadida por uma muralha de água na segunda-feira.

A secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano, e o vice-administrador da Agência Federal de Gerenciamento de Emergência (FEMA, em inglês), Richard Serino, planejavam visitar Staten Island nesta sexta, em meio ao protesto furioso de sobreviventes de que a localidade havia sido ignorada pelo governo.

A reação de sobreviventes e as cenas das vítimas poderiam complicar as coisas para os políticos, do presidente Barack Obama, a quatro dias da eleição, a governadores e prefeitos na mais populosa região dos EUA.

Obama visitou Nova Jersey na quarta e foi parabenizado pela forma como lidou com os efeitos da tempestade.

"Eles esqueceram de nós", disse Thereza Connor, 42 anos, descrevendo Staten Island como "aniquilada". "E o prefeito (Michael) Bloomberg diz que Nova York está bem. A maratona está mantida".

Citando o impulso para a cidade, Bloomberg decidiu manter a realização da Maratona de Nova York, a maior do mundo, no próximo domingo.

Aos ânimos já aquecidos somou-se a escassez de gasolina que teve de ser enfrentada por motoristas de Nova York, Nova Jersey e Connecticut. Mesmo antes do amanhecer de sexta-feira, longas filas de carros serpenteavam as proximidades de postos de gasolina, e a polícia ficou em pontos próximos para manter a paz e calma entre os motoristas frustrados e furiosos.

Previsões de frio para os próximos dias só aumentaram a tensão, uma vez que em muitas partes moradores têm usado geradores para manter luzes e aquecimento enquanto esperam que as linhas de energia elétrica sejam reparadas.

A eletricidade em toda Nova York só deve ser restabelecida totalmente em 11 de novembro, informou a companhia Con Edison nesta quinta.

A operadora do sistema elétrico afirmou que há cem mil casos de queda de árvore e outros objetos que interromperam as linhas de fornecimento e isso levará tempo para ser reparado.

Os custos financeiros da tempestade prometem ser surpreendentes, com estimativa de cerca de US$ 20 bilhõess em perdas seguradas e US$ 50 bilhões de dólares em perdas econômicas.

Sandy poderá ser a quarta mais cara catástrofe dos EUA, atrás do furacão Katrina, em 2005, dos ataques de 11 de Setembro de 2001 e do furacão Andrew, em 1992.

Fonte: G1