Obama diz que morte de Awlaqi foi um "golpe" contra Al Qaeda

"A morte de Al Awlaqi é um golpe muito duro contra o braço mais ativo da Al Qaeda", afirmou Obama


Obama diz que morte de Al Awlaqi foi um

O presidente Barack Obama afirmou nesta sexta-feira que a morte do imã radical Anwar al Awlaqi no Iêmen constitui "um golpe muito duro" contra a Al Qaeda, e assegurou que os Estados Unidos estão determinados a destruir todas as redes terroristas.

"A morte de Al Awlaqi é um golpe muito duro contra o braço mais ativo da Al Qaeda", afirmou Obama durante a cerimônia de posse do chefe do Estado-Maior Conjunto, em uma base militar perto de Washington.

"Isso é uma prova de que a Al Qaeda e seus afiliados não terão abrigo seguro em nenhum lugar do mundo", acrescentou, afirmando que a morte de Awlaki foi resultado da união de esforços internacionais com o governo do Iêmen contra os militantes.

Identificado como "chefe de operações externas" para a Al Qaeda na Península Arábica, Al Awlaqi foi morto em um ataque da CIA com drones teleguiados, no Iêmen, segundo informaram altos funcionários do governo dos EUA às agências de notícias.


Obama diz que morte de Al Awlaqi foi um

A morte do imã radical nascido nos Estados Unidos Anwar al Awlaqi --vinculado à rede terrorista Al Qaeda e procurado pelos Estados Unidos-- foi anunciada nesta sexta-feira pelo Ministério da Defesa do Iêmen.

"O dirigente terrorista da Al Qaeda Anwar al Awlaqi morreu ao lado de membros desta organização", anunciou o porta-voz do ministério.

O governo não divulgou as circunstâncias da morte de Al Awlaqi, mas fontes tribais afirmaram à France Presse que ele morreu em um bombardeio aéreo dos EUA executado na manhã desta sexta-feira contra dois veículos que circulavam entre Maarib (ao este de Sanaa) e Juf, Província desértica na fronteira com a Arábia Saudita.

Al Awlaqi havia escapado de um bombardeio americano no Iêmen no início de maio, poucos dias depois de um comando especial dos Estados Unidos ter matado no Paquistão o líder da Al Qaeda, Osama bin Laden.

Fonte: Folha Online, www.folha.com.br