Obama faz história e se torna primeiro presidente a votar antecipadamente nos EUA

Obama faz história e se torna primeiro presidente a votar antecipadamente nos EUA

- Isso é emocionante - disse o presidente após votar.

A 12 dias das eleições, Barack Obama fez história na noite desta quinta-feira ao ser o primeiro presidente americano a votar antecipadamente no país. Obama teve que mostrar sua carteira de motorista para se identificar antes de votar no Centro Comunitário Martin Luther King, em Chicago. A primeira-dama americana, Michelle Obama, anunciou há pouco mais de uma semana que já havia exercido seu direito de voto, sem esperar até 6 de novembro.

- Isso é emocionante - disse o presidente após votar.

Descontraído, Obama se divertiu com os voluntários do centro de votação. Para a mulher que conferiu sua foto no documento, pediu que não reparasse que ele tinha menos cabelos brancos que agora. E quando o telefone de um dos voluntários tocou, Obama perguntou se era sua esposa.

- Se for, você deve atender. Eu sempre atendo a Michelle - disse.

Antes de sair da sala, ainda brincou.

- Não posso dizer em que votei.

A decisão do presidente e da primeira-dama não é por acaso. A equipe de Obama colocou ênfase especial durante a campanha em promover o voto antecipado - que nos Estados Unidos pode ser feito pessoalmente ou pelo correio -, e com maior intensidade nos estados que tradicionalmente não têm preferência política clara e cujo resultado é decisivo na corrida presidencial pela Casa Branca.

Em 2008, 30% dos eleitores escolheu essa modalidade de voto - a maioria jovens, minorias e pessoas com salários mais baixos. Destes, 60% foram a favor do presidente Barack Obama. Nessas eleições, espera-se que um de cada três eleitores - mais de 46 milhões de pessoas - vote antes do dia 6 de novembro.

De acordo com o ?Projeto Eleições?, em Iowa, um dos estados-chave para as eleições, 219 mil cidadãos solicitaram o voto antecipado, 13,4% a mais que em 2008. Deles, 53% dão democratas e 28% republicanos. Na Flórida, o período de votação antecipado só começa em 27 de outubro, mas segundo o jornal ?Miami Herald?, dos 284 mil eleitores que pediram para votar pelo correio, 44% são republicanos e 40% democratas.

Uma nova pesquisa divulgada nesta quinta-feira mostra que o presidente ganhou votos da população masculina nas últimas semanas, enquanto o rival Mitt Romney cresce entre o eleitorado feminino. De acordo com o levantamento Associated Press-GfK, o republicano parece estar ganhando um espaço que era do democrata, pois seus argumento sobre a economia e seus esforços para se tornar mais carismático tem funcionado.

Segundo os números, 55% das mulheres preferem Obama, contra 41% de Romney, quando o assunto é de direitos das mulheres. No entanto, o jogo vira quando a questão é sobre economia: 49% aprovam as propostas do ex-governador de Massachusetts, enquanto 45% preferem as do presidente. No levantamento anterior, divulgado no mês passado, a vantagem de Obama no questionamento sobre economia era de vantagem de 16 pontos percentuais (56% contra 40%) no voto feminino.

De acordo com o levantamento diário do instituto Reuters/Ipsos, Romney ainda mantém a vantagem de 1 ponto percentual sobre o presidente, indicando que a corrida para a Casa Branca está tecnicamente empatada a menos de duas semanas do pleito.

Voto antecipado e à distância

Além do voto antecipado, em todos os estados é possível receber em casa, mediante requisição, uma cédula para o voto à distância. Em 27 deles, sequer é necessário justificar o pedido e, em Oregon e Washington, toda a votação é feita por correspondência. Salvo poucas exceções, as cédulas podem ser mandadas de volta às autoridades eleitorais até o dia 6, data limite para a escolha de um candidato.

No entanto, o envio de cédulas pelo correio pode não ser tão seguro. Em um estudo de 2010, o cientista político Charles Stewart III, professor do Massachusetts Institute of Technology, diz que foram contabilizadas apenas 27,9 milhões das 35,5 milhões de cédulas solicitadas por eleitores no pleito presidencial de 2008. Segundo Stewart, 3,9 milhões delas não chegaram aos eleitores, e outros 2,9 milhões não retornaram às autoridades que, por sua vez, rejeitaram mais 800 mil por possíveis irregularidades.

Fonte: O Globo